Tamanho do texto

Clube gaúcho busca ser o primeiro no país a ter um departamento que inclui a comunidade LGBTI+ no futebol e que lute contra o preconceito

bandeirinha de escanteio arco-íris
Reprodução
Internacional busca o pioneirismo no futebol brasileiro quanto ao apoio da comunidade LGBTI

Nesta sexta-feira, dia 28 de junho, é comemorado o Dia do Orgulho LGBTI (lésbicas, gays, bissexuais, travestis e etc.) e o Sport Clube Internacional aproveitará a data para lançar ações diretamente para a comunidade.

Leia também:  Neymar e Najila cara a cara? Polícia bate o martelo sobre acareação; entenda

Segundo informações do colunista Leonardo Oliveira, do Gaúcha ZH, o estádio do Beira-Rio, casa do Internacional , será iluminado com as cores do arco-íris em referência aos 50 anos da Revolta de Stonewall e para marcar a criação da Diretoria de Inclusão Social do clube.

Quem anunciou a novidade foi a presidente da pasta, Najla Diniz, que trabalha há dois anos no Colorado como ouvidora. Para ela, incluir a comunidade LGBTI+ nos programas do clube é uma responsabilidade que está intrínseca a história do Internacional.

“A ideia partiu da consonância com a votação do STF de criminalizar a homofobia e determinação do STJD de olhar com mais rigor e punir os clubes por atitudes homofóbicas . O Inter caminha nesse sentido, de se posionar, sim, pela inclusão de todas as pluralidades da sociedade”, disse Najla.

estádio beira-rio
Reprodução/ Facebook
Estádio Beira-Rio ficará iluminado na noite desta sexta-feira (28) com as cores do arco-íris

“A nossa própria história nos permite estar preparado para enfrentar essa luta. Sempre fomos um clube que lutou contra os preconceitos. Nossa origem foi de combater a exclusão por raça e a xenofobia. Nossa história nos permite que sejamos pioneiros no Rio Grande do Sul”, completou.

A dirigente não deixou claro quais serão as ações feitas pelo clube com a Diretoria de Inclusão Social, mas afirmou que irá “trocar figurinhas” com o Bahia Esporte Clube, que tem se destacado no país com as pautas indígenas e raciais.

“Está dentro do plano de ações uma visita e a troca de experiência com o Núcleo de Ações Afirmativas do Bahia. Eles têm lá a questão étnica muito forte, com a história das demarcações indígenas. O Bahia foi corajoso na parte de cima. Agora, é nossa vez aqui na parte sul do mundo”, comentou.

Leia também:  Metralhadora, porco..Argentinos relatam medo ao se perderem em morro no RJ

O Internacional recentemente se juntou a Bahia e Grêmio na campanha contra o racismo do Observatório Racial do Futebol, além de também participar da campanha HeForShe, da ONU, e que busca a igualdade de gênero.