Tamanho do texto

Fotos da frase "Sai ou morre" direcionadas a Wagner Pires e Itair Machado circularam rapidamente nas redes sociais

Lance

Muro do Cruzeiro pichado com ameaças
REPRODUÇÃO/WHATSAPP
Muro do Cruzeiro pichado com ameaças

Um ato de vandalismo coloca mais um ingrediente na crise política que o Cruzeiro vive atualmente. Na manhã deste sábado, 22 de junho, a sede administrativa do clube amanheceu pichada com ameaças ao presidente Wagner Pires de Sá e ao vice Itair Machado .

Leia também: Entenda o escândalo financeiro que tornou o Cruzeiro alvo da Polícia Civil

Os dizeres, que aparecem na parte da frente do prédio, localizado no Bairro Barro Preto, Região Centro-Sul de Belo Horizonte, ameaçava os dois dirigentes do Cruzeiro de morte caso não deixem seus cargos.

Fotos da frase “Sai ou morre” direcionadas a Wagner e Itair circularam rapidamente nas redes sociais. As pichações já está sendo removidas por funcionários do clube com tinta azul. marcadas na frente do prédio circularam rapidamente pelas redes sociais. 

O Cruzeiro diz que está próximo de identificar os autores da pichação devido ao sistema de câmeras de segurança da sede administrativa e que irá tomar as medidas cabíveis no caso. 

Itair Machado, vice do Cruzeiro
Site oficial
Itair Machado, vice do Cruzeiro

Crise institucional

A diretoria do Cruzeiro está sob investigação da Polícia Civil de Minas Gerais por suposta lavagem, falsificação de documentos e falsidade ideológica, além de possíveis quebras de regra da Fifa, da Confederação Brasileira de Futebol e do Governo Federal.O caso veio à tona após denúncia de reportagem do “Fantástico”, da Rede Globo, no dia 26 de maio. 

Leia também: Conselho do Cruzeiro cobra diretoria após denúncia: "Quem é culpado, vai pagar"

Os ânimos no Cruzeiro também estão elevados não apenas com as denúncias, mas com uma disputa entre a diretoria com o presidente do Conselho Deliberativo do clube, Zezé Perrela, que fez um pedido de afastamento de Wagner Pires de Sá e de outros membros da diretoria até o fim dos trabalhos da comissão de sindicância que averigua os escândalos no clube.

Wagner Pires e seu corpo diretor classificou a solicitação de Perrella como “irresponsável” e movida por “interesses políticos” no Cruzeiro .

    Leia tudo sobre: Futebol