Tamanho do texto

Exposição retrata a história desde a proibição do governo em 1941 até os preparativos para a Copa do Mundo de 2019, que começa nesta sexta-feira (07). Acervo estará disponível no Museu do Futebol até 20 de outubro

fachada do museu do futebol
Flavia Matos/ IG
O museu do futebol expõe a mostra 'Contra-Ataque: as mulheres do futebol' até o dia 20 de outubro

O apoio ao futebol feminino chegou ao Museu do Futebol de São Paulo, anexo ao Estádio Municipal Paulo Machado de Carvalho, mais conhecido como estádio do Pacaembu, na zona central da cidade de São Paulo.

Leia também:  Confira as principais curiosidades da Copa do Mundo de futebol feminino

No último dia 28 de maio a exposição “Contra-Ataque! As mulheres do futebol” foi inaugurada no museu. Com patrocínio do Itaú Unibanco e curadoria da pesquisadora Aira Fernandes Bonfim; da ex-jogadora e hoje coordenadora do departamento de futebol feminino da FPF, Aline Pellegrino; da jornalista Luciane Castro e a professora Silvana Vilodre Goellner, a mostra ficará em cartaz até o dia 20 de outubro.

O IG Esporte esteve lá para conferir todos os detalhes da história das mulheres no esporte do Brasil desde a década de 1940 e aponta os pontos principais para que você também visite o museu.

Proibição das mulheres no esporte

Os primeiros clubes de futebol feminino no Brasil apareceram no ano de 1940 e como já é de se imaginar as mulheres não eram bem vistas no esporte. O “pavor” por vê-las exercer uma atividade física era tão grande que em 1941 o então presidente Getúlio Vargas sancionou a lei nº 3.199/41 em que dispõe

“Art. 54 – Às mulheres não se permitirá a prática de desportos incompatíveis com as condições de sua natureza, devendo, para este efeito, o Conselho Nacional de Desportos baixar as necessárias instruções às entidades desportivas do país”

Na exposição “Contra-Ataque” existe uma área apenas para falar sobre a proibição , com imagens, vídeos e áudio.

A partir de então toda a história do futebol feminino no Brasil nas décadas de 1950, 1960, 1970 e 1980 são contadas com suas personagens principais como a cidade de Vespasiano (Minas Gerais) que virou atração turística por continuar com mulheres em campo e até a história da Rádio Mulher, em que o corpo de jornalista era majoritariamente feminino.

O futebol feminino como peça de circo

exposição museu do futebol
Flavia Matos/ IG
Setor da exposição que explica o futebol feminino nas peças de circo

Outra parte muito interessante é o retrato do futebol feminino nos circos da década de 1950. Por lá são mostradas imagens e relatos de como a prática proibida nos gramados pelo país agitava o picadeiro.

Conquistas e vitórias

Após a linha do tempo do esporte em nosso país, o visitante da exposição “Contra-Ataque: As mulheres do futebol” encontrarão taças, medalhas e troféus que as equipes brasileiras já conquistaram. Nessa ala também estão expostas chuteiras, bolas e pequenas moedas de torneios antigos.

A história da evolução dos uniformes da seleção feminina do Brasil, assim como camisas de equipes europeias e totens com as principais personagens femininas do país como Marta, Emily Lima, Sissi, e muitas outras, estão na exposição.

A parte interativa da mostra fica na montagem de um “álbum de figurinhas” da seleção brasileira a partir de informações das jogadoras. O visitante cola as figuras em cima da descrição de cada atleta num dos túneis de acesso ao gramado do Pacaembu.

No fim da exposição “Contra-Ataque: As mulheres do futebol” existe uma mesa de pebolim com todos os bonecos sendo mulheres.

  • QUANDO : De 28/05 a 20/10/2019 - Terça a domingo, 9h às 17h (visitação até as 18h)
  • ONDE : Museu do Futebol - Praça Charles Miller, s/nº São Paulo, SP
  • VALORES : R$ 15 | Clientes Itaú: R$ 7,50 | Meia-entrada: R$ 7,50

*Entrada gratuita às terças-feiras

Juntas somos mais fortes!

parte externa do museu do futebol
Flavia Matos/ IG
Fachada externa do museu do futebol

Além da mostra física, o Museu do Futebol junto com o Google Arts & Culture e a AKQA começou uma iniciativa para a criação do Museu do Impedimento.

Leia também:  Títulos e ativismo - Por que a melhor jogadora do mundo não estará na Copa?

A ideia é que as pessoas ajudem no acervo do museu para contar histórias do período da proibição do futebol feminino de 1941 até 1979. Em vídeo de divulgação, a primeira árbitra da história, Lea Campos, é retratada como uma das personalidades que estarão presentes nesse projeto. Caso queira ajudar, clique aqui . O compartilhamento de informações vai até o dia 23 de junho.