Tamanho do texto

O goleiro contou que precisou inclusive se ausentar de partidas por conta de problemas decorrentes da depressão, como ataques de pânico

Buffon trocou  a Velha Senhora pelo PSG recentemente
Reprodução/Twitter/ChampionsLeague
Buffon trocou a Velha Senhora pelo PSG recentemente

Um dos maiores goleiros da história do futebol, campeão mundial pela Itália em 2006 e ídolo da Juventus, Gianluigi Buffon revelou, em entrevista para a revista 'Vanity Fair', que sofreu de depressão e teve ataques de pânico durante a carreira.

Leia também: Para Buffon, Neymar e Mbappé vão ganhar cinco Bolas de Ouro nos próximos anos

"Foi há 15 anos, por alguns meses, tudo perdeu o sentido. Parecia que ninguém se importava comigo, apenas com o jogador de futebol que eu representava. Era como se todo mundo estivesse perguntando sobre Buffon e ninguém sobre Gigi. Foi um momento muito complicado", disse o ex-goleiro da Juventus , atualmente no PSG.

Eleito o melhor goleiro do mundo em 2004, o italiano revelou inclusive que teve que ficar fora de uma partida por conta da depressão e os problemas decorrentes dela.

"Tinha 25 anos, estava no ponto mais alto da carreira, e um dia antes de um jogo da Série A.Fui a Ivano Bordon, preparador de goleiros (da Juve na época), e disse a ele: Ivano, faça o (goleiro Antonio) Chimenti se aquecer e jogar. Não estou me sentindo bem. Tive um ataque de pânico súbito".

Leia também: Aos 40 anos, Buffon garante: "Melhor do que cinco, seis, sete anos atrás"

Buffon atuando pela Juventus
Twitter/Reprodução
Buffon atuando pela Juventus

Por fim, o goleiro contou que procurou ajuda para superar a situação, e falou sobre a importância de compartilhar as dificuldades sentidas com outras pessoas, sem se envergonhar de suas fraquezas.

Leia também: Atacante que defendeu a Itália em duas Copas do Mundo revela luta contra câncer

"Se eu não tivesse compartilhado essa experiência, névoa e confusão com outras pessoas, talvez eu nunca tivesse superado. Eu tive a clareza de entender que aquele momento representava um divisor de águas entre a entrega e o tratamento - de fraquezas que todos nós temos. Eu nunca tive medo de mostrar ou chorar. É algo que aconteceu comigo que não me envergonho", finalizou Buffon .


    Leia tudo sobre: Futebol