Tamanho do texto

Para a Folha de S. Paulo, Pelé comentou também sobre seu estado de saúde, seleção brasileira, política e se Messi é o melhor jogador da história

Pelé posa com Neymar quando o craque ainda defendia o Santos
Reprodução
Pelé posa com Neymar quando o craque ainda defendia o Santos

Considerado por muitos o melhor jogador de todos os tempos, Edson Arantes do Nascimento, o Pelé, ainda é reverenciado por onde passa e sua opinião é importante em todos os aspectos.

Leia também:  Beckham inicia conversas e quer contratar Neymar para seu time nos EUA

Em entrevista para a Folha de S. Paulo, liberada nesta quarta-feira (05), Pelé falou sobre seleção brasileira, Neymar, Copa do Mundo, saúde, morte e outras coisas.

Depois de três cirurgias nos últimos anos, duas no quadril e uma na coluna, Pelé disse que está muito melhor agora, mas ainda não totalmente recuperado.

“Graças a Deus, estou bem. Fiz três cirurgias nos últimos anos, mas não estou 100% (..) Disse que joguei futebol por 30 anos, 25 no Santos e cinco no Cosmos. Deus só mandou a conta agora. Nos 30 anos de futebol não tive contusão. Mas já estou até dando pique no lugar”, comentou ao repórter Alex Sabino.

Com a saúde fragilizada Pelé admitiu que tem ‘receio de morrer’. “De vez em quando você fica meio preocupado. Senão ninguém tomava remédio. Mesmo sem ser mais atleta, ainda estou pagando a conta”, disse.

Ausência na Copa do Mundo de 2018, Pelé pretende estar bem para acompanhar a seleção em 2022, no Qatar, como torcedor.

E em relação a atuação da equipe de Tite durante o Mundial, ele tem uma opinião. “A crítica foi injusta à seleção. Na minha maneira de entender, a equipe não se conhecia tanto assim, não estava tão formada. Tivemos o azar de perder. Se tivesse vencido, tudo passava batido. Isso é coisa do futebol”, comentou.

Leia também:  Confira os cinco motivos que tornam impossível volta de Neymar ao Barça

E o fato da equipe não se conhecer direito fez Pelé admitir que para ele é difícil guardar a escalação da seleção brasileira titular. “Até na brincadeira na rua ninguém sabe direito quem é o goleiro da seleção”.

Apesar do grande jejum de títulos mundiais do Brasil (a última taça foi em 2002, na Coreia do Sul), Pelé vê a base brasileira muito respeitada pelo mundo e acredita que as outras seleções melhoraram porque se espelharam na amarelinha. “O que tem de acontecer agora é não desperdiçar o respeito que o resto do mundo tem com a gente”.

Brasileiro mais citado após o Mundial da Rússia, Neymar também foi alvo dos comentários do Rei. De acordo com Pelé, ele conversou com o capitão da seleção e pediu para que o camisa 10 focasse mais no futebol.

“Ficou difícil defender o Neymar por todas essas coisas que ele faz além de jogar futebol. E eu conversei com ele, disse que futebol ele tem e expliquei isso ‘Pô, Deus te deu o dom. O que você fez é que complicou’”.

Para Pelé, Maradona era muito mais jogador do que Lionel Messi
Twitter/Reprodução
Para Pelé, Maradona era muito mais jogador do que Lionel Messi

Nos últimos dez anos no futebol mundial, a afirmação “Messi é o melhor jogador da história” foi muito ouvida e discutida. Perguntado se concordava com a ideia, Pelé disse que é “questão de gosto”, mas que pra ele Maradona era muito melhor que Messi, assim como Beckenbauer e Cruyff.

Leia também:  Ex-zagueiro revela que teve casa incendiada em 85 após trocar Boca pelo River

A atual conjuntura política do país não fugiu a pauta. Questionado, Pelé foi breve e otimista em seu posicionamento “Eu não votei porque estava fora do país. Acho que foi bem escolhido. A gente tem que dar apoio para que dê tudo certo para o governo que está sendo montado. Chegou o momento em que tinha de ser assim. Tem de acreditar”, concluiu.

    Leia tudo sobre: Futebol
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.