Tamanho do texto

Quem diz que política e futebol não se misturam certamente não presta atenção nas reivindicações que vem da arquibancada. O IG Esporte separou 10 momentos em que os torcedores abraçaram uma causa política

As manifestações políticas no estádio são comuns desde a década de 1970
Reprodução
As manifestações políticas no estádio são comuns desde a década de 1970

Nunca se falou tanto em política no Brasil como nos últimos meses. O segundo turno das eleições presidenciais, no próximo domingo (28), impulsionou o tema em rodas de conversa entre grupos de amigos, familiares, no trabalho e chegou ao futebol com manifestações políticas no estádio.

Leia também:  Tite convoca seleção brasileira com Allan do Napoli e volta de Paulinho

Apesar do momento que o país vive, as manifestações políticas no estádio não são novidade no futebol. Desde os anos 70 as arquibancadas brasileiras fervem com posicionamentos com viés político. Abaixo, acompanhe 10 momentos em que política e futebol se misturaram de maneira pacífica.

Pedido por Anistia na Ditadura

Gaviões da Fiel leva faixa escrito 'Anistia ampla, geral e irrestrita' para jogo contra o Santos, no Morumbi, em 1979
Reprodução
Gaviões da Fiel leva faixa escrito 'Anistia ampla, geral e irrestrita' para jogo contra o Santos, no Morumbi, em 1979

Em fevereiro de 1979, uma faixa com os dizeres ‘Anistia ampla, geral e irrestrita’ foi estendida no Morumbi antes do clássico entre Corinthians e Santos. O país ainda vivia a ditadura militar e a ação foi uma parceria entre o Comitê Brasileiro pela Anistia (CBA) de São Paulo e a torcida organizada Gaviões da Fiel.

O objetivo do ato era lutar pela libertação dos presos políticos, o reconhecimento dos mortos e desaparecidos, a punição dos torturadores e a volta dos exilados. Os Comitês pela Anistia começaram a aparecer em 1978 juntando movimentos sociais, estudantil e sindical.

Democracia Corinthiana

Faixa da democracia corinthiana, em 1984
Reprodução
Faixa da democracia corinthiana, em 1984

Essa manifestação não nasceu necessariamente nas arquibancadas, veio de dentro do campo, com os jogadores do Corinthians. Considerado uma manifestação pioneira, a Democracia Corinthiana surgiu para reformular o ambiente interno do clube e integrar os atletas nas decisões da equipe.

Grandes nomes do futebol brasileiro como Casagrande, Sócrates e Wladimir eram os líderes do grupo. Apesar de não estar diretamente ligado à política, o movimento influenciou a luta pelas eleições presidenciais diretas, a campanha que ficou conhecida como Diretas Já.

Diretas Já!

Em 1984, a campanha das Diretas Já! estava em alta. Durante um jogo entre Flamengo e Santos, realizado no Maracanã, o placar eletrônico mostrou o slogan da campanha e evidenciou o caráter politizado da equipe carioca. (imagem inicial da reportagem)

Manifestação contra Maluf

Torcedores do Flamengo constantemente faziam manifestações políticas no estádio. Essa faixa é de 1984
Reprodução
Torcedores do Flamengo constantemente faziam manifestações políticas no estádio. Essa faixa é de 1984

No mesmo ano, em partida contra o Fluminense, uma ala da torcida do Flamengo estendeu a faixa com os dizeres ‘O Fla não malufa’. O protesto era contra o presidenciável Paulo Maluf que disputava o cargo mais alto do país com Tancredo Neves. A faixa também tinha um viés provocador. Uma grande parte da torcida do Fluminense defendia o candidato paulista.

Pacote de FHC

A faixa 'Não ao pacote de FHC' apareceu na transmissão da Rede Globo em 1997/98
Reprodução
A faixa 'Não ao pacote de FHC' apareceu na transmissão da Rede Globo em 1997/98

O pacote de medidas do presidente Fernando Henrique Cardoso, lançado em 1997, foi alvo de críticas dentro dos estádios. Durante partida entre Flamengo e Corinthians (ano não confirmado), uma faixa foi estendida para criticar as 51 medidas de natureza fiscal do presidente, que incluía corte de despesas e investimentos.

Fora Sarney

Torcida do Cruzeiro leva faixa ao estádio para protestar contra José Sarney, em 2009
Reprodução
Torcida do Cruzeiro leva faixa ao estádio para protestar contra José Sarney, em 2009

Em 2009, a torcida do Cruzeiro estendeu uma faixa pedindo a saída de José Sarney (PMDB) da presidência do Senado brasileiro. Uma onda de protestos tomou conta das redes sociais nesse período pedindo a saída de Sarney e Renan Calheiros da Câmara por conta de escândalos e má gestão.

Ladrão de merenda

De uma única vez, Gaviões da Fiel protesta contra Globo, FPF e deputado estadual Fernando Capez
Reprodução
De uma única vez, Gaviões da Fiel protesta contra Globo, FPF e deputado estadual Fernando Capez

No início de 2016 a Gaviões da Fiel levou três faixas à Arena Corinthians em protestos contra a rede globo de televisão, contra a Federação Paulista de Futebol e contra o presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo, Fernando Capez.

Leia também:  Campeonato Brasileiro deste ano pode dar 9 vagas para a Libertadores 2019

Famoso por enfrentar as torcidas organizadas, Capez foi citado em operação da Polícia Civil que investigava fraudes na compra de merendas escolares nas escolas estaduais de São Paulo.

Fora Temer

Torcida do Atlético-MG usou em diversos jogos faixa contra Temer
Reprodução
Torcida do Atlético-MG usou em diversos jogos faixa contra Temer

Em 2016 logo após o processo de impeachment de Dilma Rousseff, uma onda de rejeição ao vice, Michel Temer, tomou conta do Brasil. Não foi difícil encontrar faixas nos estádios que pedissem a saída do então novo presidente.

A torcida do Atlético Mineiro foi uma das que utilizou muito uma faixa escrita “Lutar, lutar, lutar, Temer jamais”, em alusão a campanha do Fora Temer.

Marielle Presente

Vasco da Gama foi o único clube que homenageou Marielle e Anderson fora das redes sociais
Reprodução
Vasco da Gama foi o único clube que homenageou Marielle e Anderson fora das redes sociais

O assassinato da vereadora do Rio de Janeiro, Marielle Franco e de seu motorista Anderson Gomes, em março de 2018, desencadeou uma onda de manifestações nas arquibancadas. Diversas torcidas levaram faixas para homenageá-la e pedir justiça por sua morte.

Um dos poucos clubes que manifestou apoio a Marielle foi o Vasco da Gama. Antes de disputar uma partida pelo estadual contra o Botafogo, representantes do time entraram com uma faixa escrita ‘Somos todos Marielle e Anderson’.

Lula Livre

Faixa Lula Livre em jogo do Grêmio
Reprodução
Faixa Lula Livre em jogo do Grêmio

Em 07 de abril de 2018 o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva se entregou à Polícia Federal e foi preso em Curitiba. Lula foi condenado a 12 anos e um mês de prisão por crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro no processo do tríplex.

Algumas torcidas manifestaram apoio ao ex-presidente por considerarem que a prisão foi injusta. Torcedores do Grêmio levaram uma faixa para o estádio pedindo a libertação de Lula.

E o que diz a lei sobre as manifestações políticas no estádio?

Manifestações políticas são expressamente proibidas em eventos organizados pela Fifa como Copa do Mundo e Copa das Confederações. Está no código disciplinar da entidade que todo clube é responsável pelo ato de seus torcedores e, isso envolve “exibição de slogans insultuosos ou políticos sob qualquer forma”.

No Brasil, o Artigo 13º do Estatuto de Defesa do Torcedor estipula algumas regras para que o torcedor entre no estádio, entre elas:

  • Não portar ou ostentar cartazes, bandeiras, símbolos ou outros sinais com mensagens ofensivas, inclusive de caráter racista ou xenófobo.
  • Não utilizar bandeiras, inclusive com mastro de bambu ou similares, para outros fins que não o da manifestação festiva e amigável.

Leia também:  Assassinato de jornalista saudita pode mudar local da Supercopa da Itália

O tema ‘ manifestações políticas no estádio ’ não é citado diretamente e isso abre margem para a interpretação. Mesmo repreendidas por clubes, administradores de Arenas e pela polícia, as manifestações não são proibidas dentro dos estádios e, segundo alguns especialistas no setor, é uma forma de protesto pacífica e que integra a liberdade de expressão.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.