undefined
Reprodução
José Carlos Peres dá entrevista após votação de sua permanência na presidência do Santos

Os sócios do Santos garantiram a permanência de José Carlos Peres na presidência neste sábado (29). Os dois processos de impeachment, com pareceres favoráveis pela Comissão de Inquérito e Sindicância e aprovados por dois terços do Conselho Deliberativo dia 10 de setembro, não foram aceitos pela maioria dos sócios.

Leia também:  Atlético-MG é punido em R$ 5 mil por cântico homofóbico de torcedores

No total, 3.165 sócios do Santos estiveram na Vila Belmiro das 10h às 18h sendo que, no processo movido pelo conselheiro Esmeraldo Tarquínio Neto, 1.115 sócios votaram a favor do impeachment no Santos ; 2.001 contra e nove votos nulo/branco.

No segundo processo, do conselheiro Alexandre Santos e Silva, 1.088 sócios votaram a favor do impeachment; 2.064 contra e 19 votos branco/nulo.

“Esse momento é de muita humildade e compreensão ao que o associado escolheu. O sócio é a força viva do Santos, são os donos do clube e sou representantes deles. É hora de respirar porque sem união não vamos a lugar nenhum", comemorou Peres.

E completou "Meu gabinete estará aberto aos sócios, conselheiros, torcedores. Não existe vencedor nesta processo. Trabalhamos por oito meses em uma verdadeira guerrilha. Vamos recompor o Comitê de Gestão e continuar trabalhando. Poder não se ganha no grito”, disparou logo após o resultado.

Leia também:  Santos 'olha para baixo' e Cuca quer nova sequência por vaga na Libertadores

“ O Santos não deve nada a ninguém. Sempre teve governabilidade aqui mesmo com fogo amigo. Vendemos o Rodygo e arrecadamos dinheiro para pagarmos as dívidas. Nossa missão agora é reavaliar todas as funções no clube e reduzir o que entendemos que está em excesso ainda. Vamos seguir trabalhando forte nisso”, revelou Peres.

Peres x Rollo

undefined
Reprodução
José Carlos Peres e seu antigo aliado, Orlando Rollo, vice-presidente do Santos


Com a escolha do associado pela permanência de José Carlos Peres na presidência e a troca de acusações entre ele e o vice-presidente, Orlando Rollo , fica a tensão de como será a convivência deles pelo restante do mandato. Em entrevista após o pleito, Peres mandou recado a seu ex-aliado.

“Não existe mais confiança. É como casamento. Ele é vice-presidente por direito e acredito que não há mais clima para nós. Acho muito difícil ele pedir renúncia mas vamos ter uma conversa bem aberta, eu, ele e os conselheiros. E isso será até terça-feira”, disparou.

Peres usou um colete a prova de balas durante todo o processo de votação do impeachment. “Recebemos muitas ameaças de morte", comenta Peres. A mãe dele de 90 anos e que mora em Curitiba chegou a receber ligações de que ela iria morrer, assim como todos os filhos. "É um terrorismo desgraçado, de um número não identificado, que já está com a Polícia Federal”, revelou.

Do outro lado, Orlando Rollo rebateu o presidente falando em jogada de marketing barato. “Ele não para de se vitimizar. Essa palhaçada de vir de colete à prova de bala e mostrar... Eu trabalho há 16 anos na área de segurança pública e quem está com medo não vai mostrar ao seus algozes que está usando colete. Isso é um encenação de quinta categoria, tentando se vitimizar”, emendou Rollo.

Leia também:  Palmeiras enfrenta Cruzeiro no Pacaembu de olho na liderança do Brasileiro

Orlando Rollo, que desejou sorte ao “oponente”, deixou a assembleia antes da apuração dos votos. Ele disse aos sócios do Santos que não vai renunciar ao cargo de vice-presidente. Neste domingo, às 16h, na Vila Belmiro, o Peixe encara o Atlético Paranaense pelo Campeonato Brasileiro.

    Leia tudo sobre: futebol

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários