Tamanho do texto

Uruguaio desfalcou o time diante do Grêmio e o seu substituto, Jean Mota, não conseguiu jogar bem

Carlos Sanchez chegou ao Santos neste ano
Twitter/Reprodução
Carlos Sanchez chegou ao Santos neste ano

O técnico Cuca tentou mas não conseguiu esconder que, o desfalque do meia Carlos Sanchez, que está com a seleção uruguaia, deixa o Santos sem criação e com enormes dificuldades no meio de campo. O empate sem gols contra o Grêmio na noite desta quinta, no Pacaembu, evidenciou os problemas de reposição no setor.

Leia também: Com fim de partida agitado, Santos e Grêmio ficam no 0 a 0 no Pacaembu

Carlos Sanchez tem sido muito elogiado pela equipe de trabalho do treinador santista pela eficiência e qualidade na condução do meio campo. Na vitória contra o Vasco por 3 a 0, no Rio de Janeiro, o uruguaio finalizou três vezes, trocou 17 passes certos no ataque, deu uma assistência para gol e chegou seis vezes na linha de fundo.

Substituto de Pato Sanchez, Jean Mota mostrou desempenho muito baixo. Trocou apenas passes curtos, não chegou a linha de fundo e arriscou 5 lançamentos sendo que apenas um deles serviu como assistência para a finalização de Gabriel Barbosa.

Leia também: José Carlos Peres e a tartaruga: a fábula que assusta e enlouquece a torcida

O problema na criação das jogadas foi percebido pelo lateral esquerdo Dodô que, assim que o árbitro apitou o fim do primeiro tempo, alertou para mudanças. "A marcação deles mais recuada traz muita dificuldade para criar. Precisamos nos movimentar mais sem a bola, nos mexer nos espaços deles", avisou.

Essa também foi a leitura do técnico Cuca que colocou o lateral Daniel Guedes na vaga de Jean Mota e deslocou Victor Ferraz para a função. O camisa 4 atuou na armação ofensiva durante 25 minutos. Neste período Ferraz acertou 10 passes e apareceu em mais como opção ofensiva.

Não satisfeito o técnico Cuca promoveu a terceira tentativa de criar chances de gol e sacou o volante Alisson, que estava pendurado com cartão amarelo, apostando no costarriquenho Bryan Ruiz, que, por pouco mais de 20 minutos em campo, não serviu nenhum atacante.

" Dificil sem o Sanchez. Não conseguimos entender o Grêmio nos primeiros 15 minutos. Tentei até mudar algumas vezes o Jean com o Sasha mas não rendeu e depois escolhi o Ferraz. Por último eu tinha duas opções: segurar o resultado com a entrada do Yuri (volante) ou ganhar o jogo com o Bryan. Escolhi ganhar mas infelizmente não deu. Quero deixar claro que tentamos de tudo taticamente para mudar aquele cenário", comentou o comandante santista.

Leia também: Conselheiros do Santos recebem relatório que sugere impeachment do presidente

Para a partida contra o Paraná Clube, domingo, às 19 horas, em Curitiba, Cuca evitou falar na possibilidade de acelerar a volta de Carlos Sanchez da seleção uruguaia e preferiu valorizar o elenco mesmo com a queda de rendimento evidente. "Precisamos conversar e entender a força deste grupo. Eu confio no elenco e tenho certeza que podemos montar uma equipe competitiva e conseguir a vitória que nos faltou diante do Grêmio", finalizou.

    Leia tudo sobre: Futebol
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.