Tamanho do texto

Depois de muito adiada, a compra do clube italiano por investidores chineses aconteceu nesta quinta-feira (13), por cerca de R$ 2,4 bilhões

Com a venda do Milan à investidores chineses, é dado o fim da
Divulgação
Com a venda do Milan à investidores chineses, é dado o fim da "Era Berlusconi"

Foi oficializada nesta quinta-feira (13), a compra do Milan por um grupo chinês, colocando assim, final à "Era Berlusconi". O investidor chinês Li Yonghong, dono da holding Rossoneri Sport Investment Lux, chegou à cidade de Milão na última quarta-feira (12), para fechar a compra do clube.

LEIA TAMBÉM: Bolada de Fàbregas pode deixar sequelas em bebê de seis meses

"A Fininvest (holding da família do ex-premier Silvio Berlusconi) finalizou hoje a cessão à Rossoneri Sport Investment Lux da sua inteira participação, de cerca de 99,93%, da AC Milan ", afirma uma nota conjunta que oficializa a mudança de propriedade do time. "Os compradores confirmaram a intenção de cumprir importantes intervenções de recapitalização e fortalecimento patrimonial e financeiro do AC Milan", conclui o comunicado.

Na próxima sexta (14), o clube italiano fará uma assembleia com os sócios para concretizar a transferência de ações para o fundo de investimentos. "Agradeço Berlusconi e a Fininvest pela confiança e os torcedores pela paciência. A partir de hoje, construíremos o futuro", disse o mais novo dono do clube, Li Yonghong.

A operação de compra é de cerca de R$ 2,4 bilhões (além de R$ 661 milhões para cobrir dívidas), dos quais R$ 832 milhões já foram quitados antecipadamente. A transferência estava prevista para acontecer em dezembro de 2016, mas foi adiada durante várias vezes por conta da dificuldade dos chineses de levantar os recursos necessários.

LEIA TAMBÉM: Paulinho faz propaganda ao lado de atriz pornô e pode ser deportado da China

Inicialmente, a compra seria efetuada pela pela holding Sino-Europe Sports, sediada em Pequim. Mas como os investidores não estavam conseguindo transferir o dinheiro à Itália, eles decidiram criar uma segunda empresa, a Rossoneri Sport Investment Lux, totalmente estranha à China. Além disso, Li Yonghong conseguiu um empréstimo-ponte de um fundo multimercado da gestora de recursos norte-americana Elliott Management. 

AC Milan

O clube era presidido por Silvio Berlusconi há mais de 31 anos, período no qual viveu sua época mais vitoriosa, com cinco títulos da Liga dos Campeões, oito campeonatos italianos, um da Copa da Itália e três no Mundial de Clubes.

No entanto, as últimas temporadas têm sido difíceis para o Milan, que perdeu seu poder de investimento e luta apenas por posições intermediárias na Série A. Sua maior rival, a Inter de Milão, também foi comprada por chineses, mas os resultados em campo não apareceram até agora. 

LEIA TAMBÉM: Chute mais longo do mundo? Bola passa cerca e vai parar em outro país

No próximo sábado (15), as duas equipes farão o primeiro clássico da "era asiática". Sobre o assunto, diretor esportivo do Milan na era Berlusconi, Adriano Galliani, disse que a partida será o "primeiro dérbi chinês" do país.