Tamanho do texto

Ex-goleiro da seleção grega campeã da Euro 2004, agora treina refugiados do Iémen, Síria, Iraque e Afeganistão

Antonis Nikopolidis
Reprodução
Antonis Nikopolidis

Aposentado desde 2011, o ex-goleiro Antonis Nikopolidis atuou no Panathinaikos e no Olympiacos, mas foi em 2004 que consagrou sua história no futebol mundial. Em uma das maiores surpresas do esporte, a seleção da Grécia venceu a portuguesa de Cristiano Ronaldo na final da Euro em Lisboa.

LEIA MAIS: "Gabriel Jesus pode ser o melhor do mundo", diz Ronaldinho Gaúcho

Hoje, aos 45 anos, é o treinador do Hope Refugees FC, que conta com atletas refugiados da Síria, Iémen, Iraque e Afeganistão. A equipe foi batizada de Elpida, que significa "esperança", em grego. Para Antonis Nikopolidis , este é o desafio mais gratificante de toda a sua carreira.

"Estamos ajudando pessoas que vivem momentos difíceis em suas vidas. São convidados no nosso país e estamos tentando oferecer-lhes algumas horas de felicidade", explicou o ex-goleiro à imprensa internacional.

LEIA MAIS: Zagueiro brasileiro é cogitado para defender a seleção da Holanda

Elpida

A maioria dos 24 jogadores da equipe vive na zona industrial de Skaramangas, à oeste de Atenas, capital grega. Com idades entre 18 e 26 anos, eles se reúnem pelo menos três vezes da semana para os treinos. Aos domingos, os atletas representam a Elpida em uma liga amadora.

Para ele, o grande objetivo do time é fazer com que aqueles jovem garotos se divirtam e tenham no futebol, uma maneira de entretenimento. Além disso, com os treinos, surgem novas amizades e laços afetivos.

Antonis Nikopolidis, treinador do Elpida
Divulgação/ Gazzeta Gr
Antonis Nikopolidis, treinador do Elpida

LEIA MAIS: Alexandre Pato perde ação e é condenado a pagar R$ 5 milhões em impostos

Segundo Nikopolidis, um dos maiores incentivos para participar do projeto é o fato de que, seus antepassados também eram refugiados, que foram de Ponto, costa turca do Mar Negro, para a Grécia, na década de 20 do século passado.

A Grécia abriga cerca de 60 mil refugiados. Em 2016 a Uefa ainda contribuiu financeiramente com alguns países europeus para ajudar na reintegração de imigrantes. Parte desta verba será destinada à equipe de Antonis Nikopolidis.

    Leia tudo sobre: futebol