Tamanho do texto

Os dois aviões da empresa estavam em hangar militar a 380km de La Paz

undefined arrow-options
REPRODUÇÃO TWITTER ALEXANDRE PEREIRA
Os aviões apreendidos são do mesmo modelo do qual transportava a Chapecoense

O Ministério Público da Bolívia apreendeu dois aviões da companhia aérea Lamia que estavam em um hangar militar no centro do país desde 2014. De acordo com o jornal boliviano "El Deber", a apreensão faz parte das investigações contra a empresa, responsável pelo acidente da aeronave com a delegação da Chapecoense na Colômbia, deixando 71 mortos.

A ação na cidade de Cochabamba, cerca de 380km da capital La Paz, foi liderada pela promotora Jacqueline Ponce, que esteve escoltada por militares da Força Aérea Brasileira (FAB). No hangar da cidade estavam os aviões Avro Regional Jet 85, que permaneciam no local para manutenção. Após uma inspeção, a procuradoria ordenou o confisco dos aviões .

"Estas aeronaves estão agora à disposição do Ministério Público, dentro da investigação. Os aviões foram confiscados como elementos relacionados com o crime ou como produto do crime, e é provável que sirvam para o pagamento de prejuízos", disse Jacqueline aos veículos de imprensa.

Leia mais: "Meu marido não é um monstro", diz esposa de piloto do avião da Chapecoense

Ela afirmou que o Ministério Público investiga os coproprietários da Lamia e uma funcionária da Administração de Aeroportos e Serviços Auxiliares à Navegação Aérea da Bolívia (Aasana), que teria questionado o plano de voo do avião antes do acidente na Colômbia.

Segundo a promotora, "os crimes são investigados como abandono do dever, abuso de influência, desastres no meio de transporte, homicídio, homicídio culposo, lesões gravíssimas e lesões culposas".

Leia mais: Jogadores da Chapecoense que não viajaram pensam em abandonar o futebol

Aeronaves

A Lamia, Linea Aérea Merida Internacional, é uma empresa aérea venezuelana que opera na Bolívia e se especializou em transportar equipes de futebol da América do Sul.

A aeronave que transportava a delegação da Chapecoense e jornalistas brasileiros saiu do aeroporto de Guarulhos (SP) em direção a Medellín, na Colômbia. O acidente aconteceu no dia 29 de novembro, cerca de 30 quilômetros do destino final, deixando 71 mortos e seis sobreviventes.

O avião que transportava a delegação da Chapecoense para Medellín tinha 17 anos. Inclusive, foi a mesma aeronave que levou o time catarinense para Barranquilla, na Bolívia, em outubro. Na ocasião anterior, a Chape enfrentou o Junior de Barranquilla pelas quartas de final da Copa Sul-Americana.

Conhecido como jumbolino, o modelo dos aviões apreendidos é o mesmo que o do acidente. Produzido pela fábrica inglesa British Aerospace, o modelo Avro Regional Jet 85 é considerado ultra seguro.

    Leia tudo sobre: futebol