Tamanho do texto

Daniela Pinto, esposa de Miguel Quiroga, falou em entrevista à TV boliviana e o defendeu: "Parem de falar do que não sabem"

undefined arrow-options
Arquivo pessoal
Miguel Quiroga, um dos 71 mortos na tragédia, deixou a esposa e três filhos, entre eles um bebê

As primeiras informações da Aeronáutica colombiana indicam que o acidente com o avião da empresa LaMia que levava parte do elenco, comissão técnica, dirigentes da Chapecoense, além de jornalistas, convidados e tripulantes, na última semana, foi causado por uma pane seca, isto é, falta de combustível suficiente para o trecho entre Santa Cruz de La Sierra, na Bolívia, e Medellín, na Colômbia.

Apesar disso, Daniela Pinto, a esposa do piloto da empresa boliviana, Miguel Quiroga, uma das 71 vítimas fatais, em entrevista ao canal "Uno", da Bolívia, o defendeu e pediu que as pessoas parassem de criticá-lo, muito por conta dos filhos deixados.

"Que as pessoas entendam que o meu marido não é um monstro. Parem de atacar o meu marido, parem de falar do que não sabem. As pessoas não percebem, mas o meu marido deixou filhos que acessam as redes sociais", pediu Daniela Pinto.

LEIA MAIS: Jogadores da Chapecoense que não viajaram pensam em abandonar o futebol

"Meu marido era um homem bom, nobre. Era uma pessoa capaz de tirar a camisa para dar a alguém que necessita", prosseguiu, muito emocionada.

Daniela Pinto ainda falou sobre as acusações recentes que ligam o piloto a um mandado de prisão na Bolívia por ter abandonado a Força Aérea e novamente saiu em defesa do marido.

LEIA MAIS: 4 perguntas ainda sem resposta uma semana após tragédia com avião da Chapecoense

"O meu marido teve que sair por dois motivos: porque os salários eram baixos e porque uma ministra o ameaçava constantemente", finalizou.

O acidente

O avião com a delegação da Chapecoense que teria como destino a cidade de Medellín, na Colômbia, caiu pouco antes de pousar, matando 71 das 77 pessoas que estavam a bordo. O time jogaria a final da Copa Sul-Americana diante do Atlético Nacional. Entre as vítimas estão jogadores, membros da comissão técnica, diretoria, jornalistas e tripulação, caso do piloto Miguel Quiroga, que deixou a esposa e três filhos.

    Leia tudo sobre: futebol