McLaren em 2019 tem Lando Norris e Carlos Sainz como pilotos
Reprodução
McLaren em 2019 tem Lando Norris e Carlos Sainz como pilotos

A McLaren ameaçou deixar a Fórmula 1 se as mudanças promovidas pela Federação Internacional de Automobilismo – FIA e a FOM, para o ano de 2021, não forem aprovadas. A escuderia é, ao lado da Ferrari, a mais antiga na modalidade.

Leia também:  Indy presta homenagem a diretor de provas da F1 encontrado morto na AUS

De acordo com o jornal The Guardian , o atual CEO da McLaren Group, Zak Brown, o regulamento de 2021 quer simplificar a tecnologia e os custos e isso não é benéfico para as equipes.

“Para a McLaren é preciso atender a dois requisitos: ser economicamente viável e capaz de lutar de forma justa e competitiva. Se não, teremos que considerar seriamente nossa posição na Fórmula 1. Isso não é uma posição, onde queremos estar”, disse Brown.

Nesta terça-feira (26), antes do GP do Bahrein, a Liberty Media realizará uma reunião com a FIA e todas as dez equipes da Fórmula 1 , em Londres, para definir os pontos do novo regulamento.

Dentre as ideias da agência está um limite orçamentário na modalidade, uma distribuição de receita mais justa, unidades de energia, novas regulamentações e governança. Brown espera para que a F1 invista nas novas mudanças para equilibrar os ‘gastos desproporcionais’ da Ferrari, Mercedes e Red Bull.

Você viu?

Leia também:  Cidade italiana receberá exposição em homenagem a brasileiro Ayrton Senna

“A distribuição de receita deve ser mais equilibrada, deve ser orientada para o desempenho. Todos concordamos que a Ferrari é o maior nome e deve ser remunerada como tal, mas não no nível que é e você também não deve ser capaz de colocar esse dinheiro nas corridas”, afirmou o CEO da McLaren.

Uma saída para Brown é um esquema de ‘equipe B’ como a relação Haas – Ferrari. A escuderia comandada por Gene Haas utiliza peças da Ferrari. Juntamente com a Renault e a Williams essas equipes não possuem uma tecnologia de ponta capaz de se manter em alto nível na temporada.

Baseado no modelo implementado na NFL, o diretor-executivo afirmou “Uma vez nivelado, isso deve acelerar a competitividade de todos. A F1 teve períodos dominantes, mas uma grande F1 é que ninguém mais domina. Pode significar uma equipe ganhando dois campeonatos no trote – não cinco ou seis”.

Leia também:  Mick, Filho de Schumacher, diz que comparação com o pai "não é problema"

Um dos exemplos citados pelo CEO da McLaren é os cinco campeonatos conquistados por Lewis Hamilton, pela Mercedes, nos últimos anos.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários