Tamanho do texto

Falta de barulho dos carros tem incomodado fãs e pilotos recentemente

A FIA (Federação Internacional de Automobolismo) anunciou na noite de sexta-feira mudanças no futuro próximo da Fórmula 1 , principal categoria do automobilismo no mundo. De acordo com informações da agência de notícias EFE, os motores que serão usados daqui a poucos anos serão mais baratos e farão mais barulho. 

FIA anuncia carros com mais barulho e mais barato nos próximos anos na F1
Reprodução
FIA anuncia carros com mais barulho e mais barato nos próximos anos na F1


Leia também: Lewis Hamilton diz que vai se aposentar e quase provoca ataque cardíaco em fãs

O barulho dos carros, o ronco dos motores, já rendeu muito assunto entre amantes da F1 e também pilotos. Na temporada 2014, o motor que seria usado nos carros foi alterado, o que deixou a categoria mais silenciosa. Desde então, muita gente já reclamou da falta do som característico da arrancada dos carros na pista. 

No começo de 2014, por exemplo, Bernie Eclestone, na época o chefão da categoria, disse que a falta do ronco o incomodava demais. Já ao final de 2016, Felipe Massa se preparava para o que pensava que seria a sua aposentadoria das pistas e também falou das mudanças da categoria em uma entrevista para  revista "GQ". Ele também apontou o "silêncio" como um fator negativo.

Leia também: Museu da Lamborghini na Itália terá exposição sobre Ayrton Senna

"O motor que a gente usa hoje tem muita potência, é muito divertido, mas não faz mais tanto barulho como antigamente. E as pessoas querem ouvir isso, ver o bicho comer dentro das pistas", comentou Massa na entrevista. 

Mais barulhenta, mais barata e mais tecnológica

Agora, a promessa da FIA é de um motor barulhento em 2021, segundo informações da EFE. De acordo com a federação, os motores serão poderosos e mais potentes daqui a quatro anos e também serão mais simples e vão custar menos graças a avanços da tecnologia. 

A Fórmula 1, para a entidade,  é "cúpula tecnológica do automobilismo esportivo" e dela saem as inovações tecnológicas que podem ser aplicadas em outras categorias e até nos carros que serão vistos no futuro. 

Ainda segundo a agência de notícias, Jean Todt, presidente da federação internacional, já fex reuniões com os atuais fabricantes que atuam na F1 e outras marcas que podem fazer parte da categoria para discutir as mudanças nos motores. 

Leia também: Filho de Schumacher fala do pai pela primeira vez e diz que ele é modelo e ídolo

E de volta ao assunto barulho, para a FIA, a ideia é elevar o som que será ouvido da pista para que "os pilotos possam ser agressivos na condução o tempo todo".