Tamanho do texto

Transferência do português para o Real Madrid foi a mais cara da história. Chelsea quer oferecer 4 milhões de euros a mais que o recorde

Mowa Press
Hulk é figurinha carimbada nas convocações de Mano Menezes
Próximo de acertar a vinda do zagueiro Gary Cahill , do Bolton, o Chelsea planeja, agora, reforçar seu setor ofensivo. De acordo com o jornal inglês Daily Mail , o clube londrino poderia fazer uma proposta de 84 milhões de euros (R$ 242,8 milhões) para tirar o brasileiro Hulk do Porto , caracterizando, assim, a negociação mais cara da história do futebol.

Leia também: Time chinês de Conca quer contratar Drogba

Parte do elenco do time português que conquistou a Liga Europa e Campeonato Português na última temporada comandando por Villas-Boas, o atacante seria uma peça importante para o comandante, já que o Chelsea sofre com problemas no setor ofensivo: no início de 2012, Drogba seguirá para a disputa da Copa Africana de Nações e não tem futuro certo no clube, assim como Kalou e Malouda , que podem deixar o time inglês, enquanto a grande aposta deste início de ano, o espanhol Fernando Torres , ainda não vingou em Londres.

Embora sem nenhuma negociação em andamento por enquanto, o empresário do jogador, Theodoro Fonseca, entende que o camisa 12 do Porto aceitaria ser novamente treinado pelo comandante lusitano. "Hulk com certeza aceitaria trabalhar com André, no Porto ou Chelsea , ou qualquer outro clube, já que ele realmente gosta do estilo de Villas-Boas", contou.

"O André conhece Hulk muito bem e eles possuem um bom relacionamento. Hulk no Chelsea? Qualquer coisa é possível", disse Fonseca, que ressaltou a necessidade de uma negociação entre o clube inglês e Porto, que estipulou uma multa rescisória de 100 milhões de euros (R$ 241,75 milhões) para a saída do jogador.

Caso a proposta se confirme, esta irá se tornar a maior negociação da história do futebol. Atualmente, o Real Madrid é o clube que pagou mais caro por um jogador: 80 milhões de libras (R$ 231 milhões) pelo português Cristiano Ronaldo, quando este ainda jogava pelo Manchester United, em 2009.