Diretor jurídico do clube afirma que árbitro é visto em vídeo pedindo ajuda externa antes de anular o gol de Barcos. Agora, quer provar com ajuda de perito

Jogadores do Palmeiras reclamam da anulação do gol de Barcos
Gazeta Press
Jogadores do Palmeiras reclamam da anulação do gol de Barcos

O Palmeiras trabalha com a previsão de que deve ocorrer no dia 14 ou 22 o julgamento do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) que pode anular a derrota para o Inter. Na busca por provas de interferência externa na invalidação do gol de mão de Barcos, o clube contratou um especialista em leitura labial.

Comente esta notícia e deixe seu recado para outros torcedores

O que reforçou a solicitação do serviço desse profissional é um vídeo ao qual teve acesso o diretor jurídico do clube, Piraci Oliveira. As imagens mostram o árbitro da partida, Francisco Carlos Nascimento, se dirigindo ao quarto árbitro, Jean Pierre Gonçalves, dizendo "veja aí, veja aí" em meio aos minutos em que decidiu anular o gol que tinha validado no momento em que a bola balançou as redes.

"Estamos contratando um perito para fazer leitura labial em todos os lances. Isso vai nos ajudar a provar a interferência externa, que é proibida pela Fifa. O árbitro valida o lance, os jogadores do Inter o seguram e ele fala no microfone (do comunicador): ‘Jean, veja aí! Veja aí’", disse Piraci, demonstrando ainda mais otimismo ao comentar as imagens em seu blog.

Leia ainda: CBF coloca asterisco na classificação do campeonato

"A imagem é muito clara. Com quem ele falava quando disse "Veja aí"? Veja o quê, senhor árbitro? Quem tinha de ter vista era o senhor que validou o gol", cobrou. "É óbvio que se dirigia ao assistente aguardando que ele recebesse informação privilegiada e ilegal que lhe informasse com auxílio externo o que realmente aconteceu. Isso é ilegal e confessa a ingerência externa passível de anulação da partida."

O Palmeiras pede no processo que iniciou no STJD o depoimento do árbitro e seus assistentes. "Eles deverão se justificar exatamente quanto a quem se dirigiam e quais informações desejavam receber ao afirmar ‘Veja aí... veja aí...’", afirmou Piraci.

Na busca por cinco testemunhas que também o ajudem no caso, o diretor jurídico garante ter pessoas suficientes para comprovar a ingerência, recebendo ajuda até pelo Twitter. "Muito legal a quantidade de gente querendo ajudar com sugestões e remessa de material. Essa sinergia faz a diferença. Vamos em frente", escreveu Piraci em seu microblog.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.