Tamanho do texto

Prova contou com a presença de mais de 1000 pessoas e foi marcada por homenagens aos 43 mortos na ponte Morandi, que caiu em agosto deste ano

Depois de 14 anos, a maratona de Gênova voltou a acontecer, desta vez com o objetivo de homenagear as vítimas do desabamento da ponte Morandi, que deixou 43 mortos. Mais de mil inscritos correram neste domingo, num percurso desenhado para passar também pela rua Fillak, próxima de onde o viaduto ruiu, a fim de lembrar as vítimas da tragédia.

Leia também: Japonesa termina maratona de revezamento de joelhos após quebrar perna. Assista

Marroquino Mohamed Rity foi o vencedor da maratona de Gênova, que voltou a acontecer após 14 anos e homenageou vítimas do desabamento da ponte Morandi
Divulgação
Marroquino Mohamed Rity foi o vencedor da maratona de Gênova, que voltou a acontecer após 14 anos e homenageou vítimas do desabamento da ponte Morandi

Antigamente, a maratona contava com 42 km, mas, para essa edição, os organizadores mudaram para 43 km, homenageando as 43 vidas perdidas em agosto deste ano na queda da ponte Morandi . Para dar a largada, foi convidada Rita Giancristofaro, que ficou ferida na queda do viaduto e passou por quatro cirurgias.

"Infelizmente, não posso correr, mas a minha presença era importante, para mim e para a minha cidade", declarou. "Desejo um retorno à normalidade a todos, desde os parentes das vítimas, aos sobreviventes e desalojados", acrescentou.

A " Genova City Marathon" também contou com a "Fantozzi run", uma corrida sem competição de 11 km, inserida dentro da maratona, que teve mais de 400 inscritos. Entre eles, estava Leonardo Cenci, que se tornou o símbolo italiano da luta contra o câncer por correr maratonas depois de diagnosticado com a doença.

Leia também: Atleta do Quênia é atropelado durante Maratona de Medellín, na Colômbia

"Dava para perceber uma atmosfera muito profunda e de solidariedade a essa tragédia que a cidade de Gênova é obrigada a viver", declarou.

Cenci se empenha em serviços de voluntariado pela associação "Avanti tutta" para assistência de pessoas diagnosticadas com doenças oncológicas. Além disso, o italiano é a única pessoa no mundo inteiro que correu duas vezes a maratona de Nova York já com a doença revelada. "Foi lindo ver tantas pessoas presentes", afirmou.

"Agora posso dizer que o pior passou, que estou colocando esse momento horrível para trás e que posso pensar em voltar a treinar como sempre o fiz", continuou.

Leia também: Atleta trans comenta polêmica sobre discriminação em torneio de fisiculturismo

O vencedor da maratona em Gênova foi o marroquino Mohamed Rity, que concluiu o percurso em 2 horas, 31 minutos e 54 segundos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas