Seleção de remo
Instagram
Seleção de remo

Nada menos que um terço das atletas da equipe  de remo feminina dos EUA, que se preparava para as Olimpíadas de Tóquio , contraiu o coronavírus .

O foco do surto, que ocorreu entre março e abril, quando a pandemia se deslocava rapidamente por Nova York, foi encontrado em um fisioterapeuta da equipe.

Ao todo, 12 mulheres no grupo olímpico tiveram a doença. Algumas nem foram submetidos ao teste, mas apresentaram sintomas compatíveis com o vírus. Tudo começou no final de março, quando o confinamento foi decretado em Nova Jersey e, alguns dias depois, Marc Nowak, fisioterapeuta da equipe, deu positivo para o coronavírus.

Ele esteve em contato direto com todas as infectadas. As atletas olímpicas foram notificados por e-mail desse fato e tiveram que se isolar por 14 dias e a avisar os seus contatos mais próximos. Alguns dias depois, os atletas começaram a mostrar sintomas relacionados ao coronavírus.

Emily Regan, campeã olímpica no Rio 2016, foi uma das infectadas. Quando a doença passou, ele postou um aviso em seu Facebook para seus seguidores, comentando o quão perigosa é a doença e como ela pode enfraquecer até atletas em condições físicas ideais. "Dizem que se você é forte e jovem, você pegará o vírus e não será ruim. Mas somos o exemplo de que não é esse o caso. Fomos rapidamente noucateadas", disse Regan.

Embora nenhuma das atletas tenha sido hospitalizada e seus diagnósticos fossem leves, muitos apresentavam sintomas e algumas demoraram até 40 dias para dar negativo. "Nunca tive que lutar tanto na minha vida", diz Regan, que levou mais de um mês para se sentir bem novamente e três meses depois continua treinando para recuperar a forma perdida.

    Veja Também

      Mostrar mais