Tamanho do texto

Ministério Público Federal aponta "fortes indícios" de que Nuzman e Gryner "interligaram corruptos e corruptores" na compra de votos para o Rio 2016

Os representantes executivos do COI (Comitê Olímpico Internacional) anunciaram nesta sexta-feira que o presidente do COB (Comitê Olímpico do Brasil), Carlos Arthur Nuzman , preso na última quinta-feira, foi afastado de suas atividades na entidade.

Leia também: Nuzman é preso por suspeita de fraude na escolha do Rio 2016; leia mais

Além disso, o COI  também suspendeu o Comitê Olímpico Brasileiro após a suspeita de compra de votos na eleição que escolheu o Rio de Janeiro como sede dos Jogos Olímpicos de 2016.

Carlos Arthur Nuzman é acusado de comprar votos para o Rio 2016
VIPCOMM/DIVULGAÇÃO
Carlos Arthur Nuzman é acusado de comprar votos para o Rio 2016

De acordo com a entidade, os pagamentos feitos ao COB serão congelados, mas não afetarão os atletas brasileiros. Nuzman era membro honorario do COI e integrava a comissão de coordenação para os Jogoso Olímpicos de Tóquio em 2020. Ele foi o único presidente do comitê organizador a acumular o cargo de mandatário do comitê olímpico do país-sede.

Na última quinta-feira, A Polícia Federal prendeu Nuzman no desdobramento da operação batizada "Unfair Play", uma menção a "jogo sujo". Além dele, agentes da PF também prenderam o ex-diretor de operações do comitê Rio 2016 e braço-direito de Nuzman, Leonardo Gryner.

O pedido de prisão foi decretado pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal. Nuzman é suspeito de intermediar a compra de votos de integrantes do Comitê Olímpico Internacional para a eleição do Rio como sede da Olimpíada de 2016. A decisão foi tomada porque houve uma tentativa de ocultação de bens no último mês, depois que a polícia cumpriu um mandado de busca na casa do presidente do COB . Os presos serão indiciados por corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Leia também: Argentina, Paraguai e Uruguai oficializam candidatura para Copa de 2030

Em março, uma reportagem do jornal francês "Le Monde" denunciou que, três dias antes da escolha da cidade sede para as Olimpíadas de 2016, houve o pagamento de propina a dirigentes do Comitê Olímpico Internacional.

Esquema de corrupção

O Ministério Público Federal aponta "fortes indícios" de que Nuzman e Gryner "interligaram corruptos e corruptores" na compra de votos . O esquema de corrupção, segundo os investigadores, tem a participação do ex-governador Sérgio Cabral. O dinheiro teria vindo do empresário Arthur Cesar Soares de Menezes Filho, conhecido como Rei Arthur, que também teve mandado de prisão decretado, mas está foragido da justiça.

Leia também: Atleta completa prova com órgão genital à mostra e nem percebe; veja o vídeo

Carlos Nuzman e Leonardo Gryner, diretor-geral do Rio 2016
Twitter
Carlos Nuzman e Leonardo Gryner, diretor-geral do Rio 2016

Gryner também foi preso em sua casa, em um apartamento de luxo em Laranjeiras, na zona sul do Rio. Ex-diretor do COB, ele também foi diretor de Comunicação e Marketing da candidatura do Rio à sede olímpica, e teve encontros com o filho do presidente da Federação Internacional de Atletismo, suspeito de ter recebido propina para votar no Rio de Janeiro como sede dos jogos.

A família do senegalês Lamine Diack, que na época era presidente da Federação Internacional de Atletismo e membro do COI, teria recebido US$ 1,5 milhão do "rei Arthur", que é um empresário muito próximo ao ex-governador Sergio Cabral, já preso pela Lava Jato.