Nenê comemora após marcar contra o River
Reprodução / Twitter Conmebol
Nenê comemora após marcar contra o River

Com autoridade, o Fluminense não tomou conhecimento do combalido River Plate e, com a consistente vitória por 3 a 1, nesta terça-feira, no Monumental de Núñez, carimbou o passaporte para as oitavas de final da Libertadores como líder do Grupo D, com 11 pontos. Criticado pela apatia no Fla-Flu que decidiu o Campeonato Carioca, o Tricolor, com atitude de sobra, resolveu o jogo no primeiro tempo sob a batuta do 'maestro' Fred, autor das assistências para os gols de Caio Paulista e Nenê. No segundo, Yago fechou a conta. Graças ao empate em 0 a 0 entre Junior Barranquilla e Santa Fé, sem gols, o River avançou em segundo lugar.


'Reforçado' com 13 dos 15 jogadores diagnosticados com o novo coronavírus há 11 dias, o River Plate não teve o mesmo fôlego mostrado na heroica vitória por 2 a 1 sobre o Santa Fé, da Colômbia, com direito à improvisação do volante e ídolo Enzo Pérez como goleiro no lugar do 'quarentenado' Armani.

Pressionado após apática atuação na derrota para o Flamengo, o Fluminense, com a classificação em risco, entrou em campo ciente de sua responsabilidade. E não fugiu dela. Especialidade, a bola área quase rendeu dois gols no início do jogo com Luccas Claro e Nino. Com duas defesas à queima-roupa, Marcos Felipe impediu a reação dos donos da casa na finalização de De La Cruz e no rebote de Borré.

A partir daí, o domínio foi tricolor. A cada minuto, o desgaste dos jogadores do River Plate, obrigados a fazer exames cardiológicos na véspera do jogo, ficava mais evidente. E o Fluminense aproveitou os espaços. Fred, livre como um ponta, cruzou para Caio Paulista, de carrinho, abrir o placar, aos 21. Aos 28, o camisa 9 acertou um passe por elevação e Nenê, de primeira, acertou uma bomba, que desviou na marcação, antes de vencer Armani. Com a necessidade de vencer, o Tricolor partiu para cima e, novamente, com Nenê quase ampliou a vantagem numa bela cobrança de falta no fim.

A bola de Yago no travessão foi o cartão de visita do Fluminense na volta para o segundo tempo, que prometia ser tranquilo... Ao diminuir o ritmo, a equipe carioca teve a posse de bola dividida com os argentinos. Apesar da pressão, a expulsão de Maidana dificultou a reação. Em vantagem, Roger Machado renovou o fôlego, sacando todos os pendurados. Numa cochilada da marcação, Girotti, aos 39, diminuiu.

A pressão que parecia mudar de lado não foi concretizada. Abel Hernández observou bem a atuação de Fred e, como um bom garçom, serviu Yago com precisão para decretar a vitória, aos 46. No segundo encontro com o River Plate na Libertadores, o Fluminense foi 'monumental'.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários