Tamanho do texto

Protesto em Pozo Almonte, no norte do Chile, é contra uma usina de minério da região. Torcedores estão indo para o Peru, assistir a final da Libertadores

Ônibus com torcedores do Flamengo é impedido de passar em rodovia do Chile arrow-options
Reprodução / Flamengo
Ônibus com torcedores do Flamengo é impedido de passar em rodovia do Chile

A viagem de torcedores do Flamengo de ônibus para a Lima, no Peru, sede da final da Libertadores , teve uma parada inesperada em Pozo Almonte, região de Tarapacá, no Norte do Chile. Os veículos da Buser, que está levando os rubro-negros e membros da imprensa para final, foram bloqueados por manifestantes chilenos em dois momentos do dia.

Leia também: Flamengo pode ser campeão da Libertadores no sábado e do Brasileirão no domingo

O primeiro aconteceu às 5h (de Brasília), com a liberação apenas às 8h30, com vários pneus queimados, um carro incendiado, o que formou uma fila gigantesca na estrada. Vários carros passavam e traziam mais materiais para os manifestantes queimarem.

O protesto era contra uma usina de minério, que tem perto da estrada, com a intenção de bloquear a chegada dos caminhões da usina para o local. Esses caminhões recuaram para não ser atacados. O segurança da Buser conversou com os manifestantes, que informaram que esse era apenas um dos protestos programados para o dia.

Leia também: Flamengo e River fazem 15ª final de Libertadores entre brasileiros e argentinos

Na pausa do primeiro protesto, tinha um grupo de torcedores do River Plate no mesmo bloqueio e vieram confraternizar com os rubro-negros. Um flamenguista mais exaltado desceu do ônibus para discutir com os manifestantes e disse que tinha que chegar em Lima para o jogo. O manifestante só respondeu "paciência, essa é a nossa causa".