Tamanho do texto

Comemorando o sucesso da Copa do Mundo feminina de 2019, Gianni Infantino estabeleceu medidas para os próximos anos

Lance


Gianni Infantino
Divulgação
Gianni Infantino, presidente da Fifa, apresentou novas medidas para o futebol feminino.

O presidente da Fifa, Gianni Infantino, colocou a Copa do Mundo feminina de 2019, realizada na França, como um marco para o futebol feminino. Em entrevista coletiva nesta sexta-feira, em Lyon, o dirigente se mostrou empolgado com a modalidade e propôs mudanças para alavancar o cenário em âmbito mundial. A final do torneio acontece neste domingo, entre Estados Unidos e Holanda.

Leia também: EUA vai ou não na Casa Branca? Alex Morgan diz que decisão será coletiva

- Antes de falar do futuro, vamos falar um pouco do presente. Essa Copa foi fenomenal, incrível, emocionante, apaixonante e fantástica. A melhor de todos os tempos, a melhor da história. Temos um ''antes e o depois da Copa de 2019'' no futebol feminino. Muitas pessoas assistiram futebol feminino pela primeira vez. O que eles viram é futebol. Temos atletas, mulheres e meninas jogando futebol com técnica, tática. Vimos alguns jogos ruins, claro, como em todos os torneios. Mas a maioria dos jogos foi fantástico. Milhares de espectadores (nos estádios), bilhões pelo mundo. Depende de nós garantir a oportunidade para fazermos algo sobre isso – disse Infantino.

Rapinoe comemorando
Getty Images
A Copa do Mundo de Futebol Feminino foi um marco para o esporte.

Após o discurso, Infantino apresentou cinco propostas para o futebol feminino. Ele ressaltou que as ideias ainda precisam ser apoiadas e votadas pelo conselho da Fifa , mas as deixou na mesa. Entre elas, estão a criação de um Mundial de Clubes, uma Liga Mundial Feminina (como a Liga das Nações na Europa), o aumento do número de seleções na próxima Copa de 24 para 32, dobrar premiações na Copa de 2023 e dobrar o investimento no desenvolvimento do esporte para 1 bilhão de dólares.

- É nosso dever não esquecer o que construímos a partir disso. Não podemos apenas daqui a quatro anos fazer uma outra boa coletiva de imprensa. Temos que trabalhar a partir de agora, e é por isso que vou propor ao conselho da Fifa e a todas as associações a abraçar o desenvolvimento do futebol feminino - finalizou.

Leia também: Corpo de jogadora desaparecida é encontrado no fundo de lago na Itália

Veja como foi proposta cada uma delas de forma detalhada:

Mundial de Clubes

- Gostaria de propor o Mundial de Clubes Feminino começando o quanto antes. Uma Copa do Mundo de Clubes para desenvolver (o esporte) em todo o mundo. Pode ser jogada todo ano, expondo clubes do mundo todo, para elas realmente brilharem num palco mundial de clubes.

Liga Mundial 

- Falei isso em 2017, há dois anos, fizemos uma proposta, conversamos com as associações. Podemos botar na mesa de novo e podemos criar um evento, a Liga Mundial Feminina, um torneio em todo o mundo, em diferentes níveis.

32 seleções na Copa do Mundo

- A terceira proposta é olhar essa Copa e ver os times que não se classificaram, crescer o número de participantes. Fizemos com o masculino, acho que temos que crescer o feminino. Temos uma Copa chegando em 2023, começamos os processos com 24 times (no planejamento), mas teremos que agir rapidamente para ter 32 times em 2023. Vamos agir com urgência para ter isso. Nada é impossível. É baseado no sucesso dessa Copa, temos que acreditar mais, como já fizemos antes.

Dobrar as premiações no Mundial

- A quarta proposta é muito simples. Já dobramos a premiação esse ano. Estou otimista com isso. Olhando para a próxima Copa, estou confiante que podemos dobrar e alcançar os valores necessários.

Dobrar o investimento

- A quinta é novamente investimento em futebol feminino . Já decidimos investir 500 milhões de dólares no futebol feminino. Há uma reserva (financeira) na Fifa, e parte disso será realocado para o futebol feminino. Quero propor mais 500 milhões (de investimento) em todo o mundo, em competições, temos que investir nisso.

    Leia tudo sobre: Futebol