Tamanho do texto

No Mineirão, Uruguai marcou quatro gols na estreia na Copa América e confirmou o favoritismo; veja o resumo da partida

Lance


Deu a lógica no Mineirão. O Uruguai confirmou o favoritismo na estreia na Copa América ao vencer o Equador, por 4 a 0, neste domingo, em Belo Horizonte, de forma incontestável. Lodeiro, Cavani e Suárez, no primeiro tempo e Mina, contra, no segundo tempo, marcaram os gols da Celeste, que teve domínio das ações do início ao fim da partida e jogou com um homem a mais desde os 23 do primeiro tempo.

Leia também: Após sair perdendo, Catar busca empate com o Paraguai na Copa América

l. suárez
GUSTAVO RABELO/PHOTOPRESS/Agência O Globo
L. Suárez fez o terceiro gol do Uruguai no jogo contra Equador na estreia da Copa América

Com o resultado, os uruguaios assumiram a liderança do Grupo C, com três pontos. Japão e Chile fecham a rodada, nesta segunda-feira, no Morumbi. A equipe comandada por Óscar Tabárez volta a campo na próxima quinta-feira, para encarar o Japão, na Arena do Grêmio, às 20h. O Equador viaja até Salvador para jogar com o Chile, na Fonte Nova, sexta-feira, no mesmo horário. 

Poder ofensivo celeste

Dono de um dos ataques mais temidos da Copa América, o Uruguai fez valer a fama e foi para cima do Equador no nos primeiros minutos de jogo. Aos cinco minutos, Nicolás Lodeiro, opção do “Maestro” Tabárez no time titular no lugar de Arrascaeta, recebeu a bola na entrada da área, driblou dois adversários e fuzilou no canto de Alex Domínguez para abrir o placar.

Leia também: Nas oitavas! Lloyd brilha e Estados Unidos vence o Chile no Mundial feminino

Show de Cavani

A situação da seleção equatoriana, que já era ruim, piorou quando Quintero deu uma cotovelada no rosto de Lodeiro e foi expulso pelo árbitro brasileiro Anderson Daronco, após revisão no vídeo. Com mais espaços, Cavani entrou em ação e deu um verdadeiro show no Mineirão.

Depois de quase marcar de letra, o atacante do PSG ampliou com um golaço de voleio, em bola escorada por Godín para o meio da área. A Celeste ditava o ritmo da partida e tinha domínio completo das ações. O terceiro gol era apenas questão de tempo e saiu no final da primeira etapa com Luis Suárez. Em bola alçada na área, Cáceres desviou para a segunda trave e o “El Pistolero” apareceu livre para finalizar.

Em ritmo de treino

Com o resultado construído e um homem a mais, o Uruguai voltou do intervalo com um jogo bem menos intenso. O time rodava a bola, sem ser ameaçado pelos equatorianos, incapazes de reagir. A falta de ação em campo chegou a originar vaias das arquibancadas.

Jogo de um só time

A dinâmica da partida não se alterou até o apito final. E para completar uma noite desastrosa para o Equador , Mina marcou um gol contra, depois de jogada articulada entre Suárez, Cavani e Pereiro, aos 34. O lance precisou ser confirmado no monitor do VAR, por dúvidas sobre impedimento. Do outro lado, Muslera deixou o campo com o uniforme intacto. Estreia com pé direito e festa uruguaia nas arquibancadas.

Leia também: Torcedor colombiano é esfaqueado na Bahia após jogo da Copa América

FICHA TÉCNICA
URUGUAI 4 x 0 EQUADOR


Data/Hora: 16/06/2019, às 19h (de Brasília)
Local: Mineirão, Belo Horizonte (MG)
Gramado: Bom
Público/Renda: 13.611 torcedores/R$ 1.534.535,00
Árbitro: Anderson Daronco (BRA) Nota L! - 6,5 Teve com controle e acertou na expulsão de Quintero
Auxiliares: Marcelo Van Gasse (BRA) e Kleber Lúcio Gil (BRA)
VAR: Wilton Sampaio (BRA)
Assistentes de VAR: Fernando Ripalini (ARG) e Rodrigo Correa (BRA)
Cartões amarelos: Lodeiro, Giménez (URU); (EQU)
Cartão vermelho: Quintero, 23’/1ºT (EQU)

Gols: Lodeiro (5’/1ºT, 1-0), Cavani (32’/1ºT, 2-0), Luis Suárez (43’/1ºT, 3-0) Mina - contra (34’/2ºT, 4-0)

URUGUAI: Muslera; Cáceres, Giménez, Godín e Laxalt; Bentancur, Vecino (Valverde, 37’/2ºT) Nández (Pereiro, 18’/2ºT) e Lodeiro (Torreira, 28’/2ºT); Luis Suárez e Cavani Técnico: Óscar Tabárez

EQUADOR: Alex Domínguez; Quintero, Mina, Achilier e Caicedo; Orejuela, Intriago, Antonio Valencia e Mena (Velasco, 27’/1ºT); Enner Valencia e Preciado (Romario Ibarra, intervalo). T écnico: Hernán Gomez