Tamanho do texto

Nova regra imposta pela Conmebol impede que clubes que não estejam na elite de seus países disputem a principal competição sul-americana

Valdivia e Vinicius comemoram
Gazeta Press
O Palmeiras, campeão da Copa do Brasil de 2012, não poderia disputar a Libertadores em 2013 com a nova regra

A Conmebol anunciou na terça-feira algumas mudanças na Copa Libertadores e na Sul-Americana em relação aos times que disputarão as competições a partir de 2020. Somente clubes da Série A podem jogar os torneios. Porém, a Libertadores está acostumada a receber equipes que estavam na segunda divisão em anos anteriores e o Brasil lidera a quantidade de clubes nessas condições.

Leia também: CONMEBOL diz que só clubes da Série A poderão jogar a Libertadores em 2020

O jornal “Olé” relembrou alguns casos peculiares que tiveram como protagonistas equipes na Libertadores , como é o caso do Palmeiras, em 2013, e o Santo André, em 2005. O primeiro time brasileiro a estar na Série B e na principal competição continental foi o Criciúma, em 1992. Na época, o time de Santa Catarina conquistou a Copa do Brasil de 1991, o que lhe garantiu a vaga direta na Libertadores do ano seguinte.

Embora estivesse na Série B do Brasileiro, o  Criciúma  teve uma participação muito boa na competição continental e se classificou às oitavas de final, onde eliminou o Sporting Cristal, do Peru. Nas quartas, caiu diante do São Paulo.

Em 2005, o  Santo André  viveu o mesmo caso de Criciúma. O time paulista venceu a Copa do Brasil de 2004 e estava na Série B no ano seguinte. Ele terminou em terceiro lugar na fase de grupos que dividia com Cerro Porteño, Palmeiras e Deportivo Táchira. No Grupo 4, ficou um ponto atrás do Palmeiras e não conseguiu se classificar para o segundo turno. Na Segunda Divisão, terminou no meio da tabela, já que ele foi deduzido pontos por uma sanção e não pôde subir.

Leia também: Conmebol revela gafe no troféu da Libertadores ao anunciar o River campeão

Em 2006, foi a vez do  Paulista  viver uma história parecida. O time venceu a Copa do Brasil de 2005, quando venceu o Fluminense na final. A equipe de Jundiaí não se deu bem no campeonato continental, porque só venceu uma única partida. Na Série B, o Paulista estava em um ponto para conseguir promoção para o Brasileiro.

Em 2011, foi a vez do Jorge Wilstermann, da Bolívia. A equipe de Cochabamba foi campeã no Apertura 2010 e ganhou a vaga para Libertadores. Em seguida, duas más campanhas levaram-no ao rebaixamento e, enquanto esteve na Copa Libertadores, ele jogou a Série B boliviana. Foi eliminado na fase de grupos no torneio continental por ganhar apenas um jogo. A boa notícia para Wilstermann foi que, com o terceiro lugar obtido naquele ano na Segunda Divisão, a equipe conseguiu voltar através de uma repescagem.

Palmeiras  também passou por essa questão. Em 2013, o Alviverde venceu a Copa do Brasil no ano anterior. No Brasileiro daquele ano, terminou em 18º e foi uma das quatro equipes que caíram para Serie B. Na Libertadores, se classificou em primeiro do grupo, mas foi eliminado pelo Xolos de Tijuana nas oitavas de final. Nesse mesmo ano, foi campeão da Série B em 2013.

Leia também: CONMEBOL divulga datas e horários das oitavas da Libertadores

O último a passar por essa situação foi o Santiago Wanderes, do Chile, em 2018. Campeão da Copa Chile 2017, estava na Segunda Divisão no ano passado e, ao mesmo tempo, disputou a pré- Libertadores , quando foi eliminado pelo Santa Fe na segunda fase.

    Leia tudo sobre: Futebol