Tamanho do texto

Após episódios racistas no jogo contra a Lazio, Leonardo foi criticado por Matteo Salvini, vice-premier e ministro do Interior da Itália

Leonardo cumprimentado torcida do Milan
Reprodução/Facebook
Dirigente do Milan, Leonardo foi criticado por Ministro Italiano

Os episódios racistas durante a partida contra a Lazio pela Copa da Itália continuam repercutindo. Depois do jogo, o brasileiro Leonardo, dirigente do Milan, disse que o árbitro do jogo deveria ter interrompido a partida após ofensas contra Bakayoko e Kessié.  O pedido do dirigente foi criticado por Matteo Salvini, vice-premier e Ministro do Interior da Itália.

Leia também: Torcedores da Lazio cantam músicas racistas contra jogador do Milan; assista

Na opinião do ministro , os cantos racistas não seriam interrompidos parando a partida, como sugeriu Leonardo . Para ele, o restante da torcida pararia o gesto racista. "Os cantos de alguns imbecis não são interrompidos suspendendo os jogos, mas por 99% dos torcedores que são educados e respeitosos" disse Salvini à ANSA. 

O próprio ministro, torcedor fanático do Milan , foi criticado por Leonardo por não ter se manifestado publicamente.  Após as críticas, o político classificou o pedido do dirigente como "bizarro" por ter partido de um diretor de um "prestigioso clube como o Milan".

Após ser derrotado por 1 a 0 pela Lazio, o Milan de  Leonardo não disputará mais títulos nessa temporada. O clube rossonero deverá focar integralmente no Campeonato Italiano para garantir uma vaga para a Liga dos Campeões. No próximo domingo, 28, a equipe volta a campo para enfrentar o Torino fora de casa pela 34ª rodada do Campeonato Italiano.

    Leia tudo sobre: Futebol