Tamanho do texto

O pênalti do venezuelano Bendrix Parra, que agora procura por um clube, foi decisivo na eliminação do Independiente (PAR) na competição

Bendrix Parra antes de bater pênalti bizarro
Reprodução
Bendrix Parra antes de bater pênalti bizarro

Uma disputa de pênaltis pela primeira fase da Sul-Americana teve aquela que, talvez, seja a mais bizarra das cavadinhas da história do futebol. O protagonista da cena constrangedora foi o meia-atacante venezuelano Bendrix Parra , do Independiente de Campo Grande, do Paraguai.

O jogador em questão foi o responsável pela terceira cobrança de  pênalti  na série contra o La Equidad , da Colômbia. Parra, muito confiante, arriscou a  cavadinha  e foi tão mal, tão mal que o goleiro Novoa defendeu com o peito, mesmo estando já esparramado no gramado.

Leia também: Jogador dá "finta" em pênalti e causa confusão na segunda divisão do Gaúcho

O erro custou caro para Parra, que acabou sendo demitido pelo clube paraguaio, que argumentou que a decisão foi tomada para deixar o episódio para trás. O prejuízo financeiro por conta da eliminação da competição pode ter influenciado.

"Nós o tiramos do clube porque queríamos deixar isso para trás, temos um novo objetivo que é o Intermediário, que começa no domingo, não achamos que foi algo premeditado por Brendix, ele apenas decidiu mal", disse o presidente do Independiente , Eriberto Gamarra, para o 'Cardinal Deportivo', do Paraguai.

Após a demissão, Bendrix Parra ainda não conseguiu um clube para atuar no restante da temporada, mas não culpa os paraguaios, apesar de se sentir injustiçado.

"Eu estou vendo agora onde jogar, eu não tenho um representante. Eu rezo a Deus para conseguir onde jogar. Os dirigentes do Independiente estão certos em me sacar, mas olhando pelo meu lado é injusto", disse o venezuelano que ficou marcado pelo pênalti de cavadinha.

    Leia tudo sobre: Futebol