Tamanho do texto

Apesar da agressão, argentina Rosana Paz não se intimidou e avisou que vai seguir normalmente trabalhando no futebol

Bandeirinha Rosana Paz em ação durante partida na Argentina
Twitter/Reprodução
Bandeirinha Rosana Paz em ação durante partida na Argentina

O duelo entre Marquesado e San Martín, válido pela Liga San Juan, uma das muitas ligas regionais do futebol argentino, ficou marcado pela agressão covarde à bandeirinha Rosana Paz, que trabalhava como assistente.

Leia também: Efmamjjasond? Por que possível reforço do San Lorenzo tem esse nome?

Faltando dois minutos para o fim do jogo, alguns torcedores do time da casa jogaram um balde de água fervendo na cabeça da bandeirinha .

O Marquesado acabou vencendo o duelo por 1 a 0, mas foi prejudicado durante a partida pelo outro assistente. E quem acabou pagando pela fúria dos fãs foi Rosana, que é mãe de três filhos.

Leia também: Mulher seminua invade o gramado durante jogo do River na Argentina; vídeo

"Senti que jogaram um líquido quente nas minhas costas. Chamei o árbitro principal e pedi que me jogassem água fria para que parasse de arder. O árbitro quis terminar o jogo naquele momento, mas chegamos a um acordo e fomos té ao fim", disse a bandeirinha em declarações ao "Tele Sol Diário".

Rosana Paz (centro) também trabalha como árbitra principal, além de ser bandeirinha
Reprodução
Rosana Paz (centro) também trabalha como árbitra principal, além de ser bandeirinha

Depois da partida, ela foi para o hospital. "Realizaram exames para ver se fiquei com algum tipo de trauma nas costas. Graças a Deus não tive. Mas o médico me disse que era uma queimadura grave e eu teria que cuidar bem", explicou.

Apesar do fato grave, a moça de de 46 anos de idade não se mostrou intimidada e garantiu que pretende continuar na arbitragem argentina .

"Seja mulher ou homem, esse tipo de situações não pode acontecer. Os meus pais, que sempre me apoiaram, me perguntaram se iria continuar e disse a eles que sim. Não é por isso que vou baixar a guarda", disse Rosana Paz.

Leia também: Jogador da 3ª divisão da Argentina é encontrado morto em casa

"O futebol não é fácil para as mulheres, mas não vou dar o braço a torcer. Faço isso com muita paixão, adoro o meu trabalho. Amo o futebol. Agora só quero que chegue o próximo fim de semana para ser escalada para algum jogo e dar o meu melhor dentro de campo", finalizou a bandeirinha , que também trabalha como secretária administrativa.

    Leia tudo sobre: Futebol