Tamanho do texto

Segundo a Associação de Jogadores Espanhóis (AFE),a La Liga irá escrever um relatório sobre a partida que precisa ser aprovado pelos jogadores, pelas federações da Espanha e dos Estados Unidos, UEFA e Concacaf

Capitão do Barcelona, Busquets participou de reunião na sede da Associação dos Futebolistas Espanhóis em agosto
Reprodução/ Twitter AFE
Capitão do Barcelona, Busquets participou de reunião na sede da Associação dos Futebolistas Espanhóis em agosto

Nunca um jogo do Campeonato Espanhol foi tão discutido como Girona e Barcelona, do próximo dia 27 de janeiro . O motivo é o local do jogo: Hard Rock Stadium, em Miami, nos Estados Unidos. Seguindo um acordo com a empresa de mídia Relevent, os organizadores da La Liga planejam um jogo do campeonato fora da Espanha.

A novidade tem causado debates desde agosto, quando começou a ser cogitada. No fim do mês passado, capitães de todos os clubes da primeira divisão, incluindo Sérgio Busquets do Barcelona , se reuniram na Associação de Jogadores Espanhóis (AFE) para discutir o assunto.

A indignação dos jogadores era quanto ao horário e o calendário do Campeonato Espanhol. Além de se sentirem penalizados por não opinarem em uma decisão que pode durar pelo menos 15 anos (tempo de acordo entre a Federação e a Relevent). Houve até uma ameaça de greve. Segundo comunicado da AFE, a decisão de jogar ou não nos EUA ficará com os jogadores.

Leia também: Técnico Valverde não estaria se entendendo com diretoria do Barcelona

O sindicato se reuniu com organizadores da La Liga e ficou acertado que a Federação irá produzir um relatório detalhado sobre a ideia do jogo fora da Espanha para submeter à avaliação dos jogadores. Além disso, a medida precisa ser aprovada pelas federações da Espanha e dos EUA, Uefa e Concacaf.

“Os jogadores de futebol, por meio da AFE, serão os responsáveis por tomar uma decisão definitiva sobre a partida a ser disputada nos EUA”, disse em comunicado o sindicato.

Durante entrevista a radio Onda Cero, o presidente da La Liga, Javier Tebas, afirmou que o grupo City Group, detentor de 44% das ações do Girona apoia a ideia “Girona x Barcelona será jogado nos Estados Unidos com 90% de certeza, mas muito do acordo é mais do que apenas um jogo, é sobre um processo muito maior. Não há obrigação para os times jogarem uma partida por ano nos EUA, apenas os clubes que se voluntariarem”, explicou o dirigente.

Leia também: Seis brasileiros brigam para entrar na seleção do ano da Fifa

O Girona chegou a publicar um comunicado em seu site oficial explicando que aceitava a proposta como meio de expandir seu crescimento. O clube pretende disponibilizar 1.500 passagens de avião para os torcedores poderem acompanhar o clube na América do Norte. O jogo contra o Barcelona é considerado um dos mais importantes no calendário no estádio Montilivi.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.