Tamanho do texto

Ex-presidente da CBF também pode pagar multa de R$ 26 milhões; defesa tenta reduzir pena por conta da idade do cartola brasileiro, que tem 86 anos

O Ministério Público dos Estados Unidos pediu na última quarta-feira que o ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol José Maria Marin cumpra uma pena de 10 anos de prisão, além de pagar uma multa de pelo menos R$ 26 milhões.

José Maria Marin, ex-presidente da CBF, pode pegar 10 anos de prisão e pagar multa de cerca de R$ 26 milhões
Divulgação
José Maria Marin, ex-presidente da CBF, pode pegar 10 anos de prisão e pagar multa de cerca de R$ 26 milhões

O pedido do MP norte-americano, feito através do procurador Richard Donoghue, será avaliado e decidido no dia 22 agosto, em uma sessão liderada pela juíza Pamela Chan. Em dezembro de 2017, Marin foi  culpado por seis das sete acusações contra ele por um tribunal de Nova York.

Ex-político e apoiador da ditadura militar no Brasil, o dirigente foi condenado por três crimes de fraude, ligados à Copa América, à Libertadores e à Copa do Brasil; por dois de lavagem de dinheiro, relativos à Copa América e à Libertadores; e um por organização criminosa.

De acordo com o jornal O Estado de S.Paulo , o cartola poderia pegar até 24 anos de reclusão, conforme as leis dos Estados Unidos . No entanto, por ter 86 anos de idade, a Promotoria reduziu a pena para pelo menos 10 anos.

A defesa de Marin alega que a culpa do cartola foi exagerada e sua avançada idade e estado de saúde são razões para uma pena não tão alta. O ex-presidente da CBF está atualmente em prisão domiciliar, em um prédio de luxo no coração de Nova York.

Leia também: Em Nova York, defesa de José Maria Marin culpa Del Nero por subornos

"Marin viveu um estilo de vida ativo e aparentemente desimpedido por sua idade avançada. Por exemplo, nos três anos anteriores à sua prisão, viajou pelo mundo, incluindo viagens para Brasil, Nova York, Londres, Miami, Suíça, Argentina, Las Vegas, Paris, Budapeste, Suécia, Tóquio e Paraguai", respondeu a Promotoria.

Ainda de acordo com o texto, o cartola brasileiro continuou a corrupção por "cobiça" e até hoje "não mostrou remorso por sua conduta". Além disso, a Promotoria alega que o dirigente "subestima a seriedade de seus crimes".

Leia também: Operário nepalês morre em obra da Copa do Mundo de 2022 no Catar

Multa para Marin

José Maria Marin, ex-presidente da CBF
Divulgação
José Maria Marin, ex-presidente da CBF

A multa de US$ 6,6 milhões (cerca de R$ 26 milhões), que também foi pedida pela Promotoria, é o dobro da quantia que ele recebeu em propinas. A defesa de Marin , por sua vez, afirma que a multa não deveria ultrapassar US$ 2 milhões.

    Leia tudo sobre: futebol