Tamanho do texto

Uli Hoeness criticou Özil após sua aposentadoria da seleção alemã. Meia alega motivos políticos e racismo

A aposentadoria de Mesut Özil da seleção alemã continua repercutindo muito. Dessa vez quem criticou o jogador do Arsenal foi o presidente do Bayern de Munique, Uli Hoeness . Para ele, o meia não joga bem há anos.

Leia também: Pai do atacante Neymar perde a linha e ofende repórter: "Fiz festa com sua mãe"

“Estou feliz por isso ter acabado. Ele não joga m*** nenhuma há anos. Ele não ganha uma dividida desde antes da Copa de 2014. Agora ele e sua performance de m*** estão escondidas atrás dessa foto”, afirmou o presidente sobre Mesut  Özil em entrevista ao jornal “Sport Bild”

Özil defendeu a Alemanha na Rússia
Redes sociais / Reprodução
Özil defendeu a Alemanha na Rússia

Continuando suas críticas, Uli Hoeness lembrou do confronto entre Bayern e Arsenal na Liga dos Campeões, quando os alemães golearam os ingleses por 5 a 1.

"Quando jogamos com o Arsenal, jogamos em cima dele porque sabíamos que era o ponto fraco do time. O desenvolvimento do nosso país é uma catástrofe. Você precisa voltar para o que isso é: esporte. Do ponto de vista esportivo, Özil não tem espaço na seleção há anos". 

Leia também: Ibrahimovic brilha nos EUA e diz: "Se chegasse há 10 anos, seria o presidente"

O jogador anunciou sua aposentadoria da seleção alemã no domingo (22), em suas redes sociais. No comunicado, Özil alegou que se considera perseguido e discriminado pela Federação Alemã de Futebol (DFB) devido à sua ascendência turca e, principalmente, por expressar suas opiniões favoráveis à imigração e ao multiculturalismo na sociedade alemã.

O desgaste entre Özil e federação começou quando o jogador posou para uma foto, junto com o meia Ilkay Gündogan, também da seleção alemã, com o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan . Em seu comunicado, o meia afirmou ser vítima de racismo.

Mesut Özil posa com Gündogan ao lado do presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan.
Reprodução / Reuters
Mesut Özil posa com Gündogan ao lado do presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan.

"Usaram minha foto com o presidente Erdogan como uma oportunidade para expressar suas tendências racistas até então ocultas, e isso é perigoso para a sociedade"

A chanceler alemã, Angela Merkel afirmou, por meio de sua porta-voz, que respeita a decisão do meia e que a maior parte das cerca de três milhões de pessoas com origem turca que vivem na Alemanha estão bem integradas. 

Colegas apoiam Özil

Héctor Bellerín, companheiro de Arsenal mostrou apoio ao meia por decidir deixar a seleção alemã.

"Surreal ver alguém que fez tanto pelo seu país, dentro e fora de campo, ser tratado com tanto desrespeito. Muito bem, Özil, por se posicionar contra esse comportamento"





Leia também: Após afastar ex-dono chinês por 'justa causa', Milan define novo presidente

 Özil  se despede da seleção da Alemanha com 92 partidas disputadas, 23 gols marcados e o título da Copa do Mundo de 2014 no Brasil.

    Leia tudo sobre: Futebol