Tamanho do texto

Ivan Savvides se revoltou durante partida no início do mês válida pelo Campeonato Grego e foi punido; PAOK perdeu três pontos na competição

O presidente do PAOK , da Grécia, Ivan Savvides , foi banido do futebol por três anos, em decisão do comitê disciplinar do Campeonato Grego , nesta quinta-feira. O mandatário recebeu punição por invadir o gramado armado durante a partida contra o AEK Atenas, no último dia 11, pela 25ª rodada da competição local.

Leia também: Fora por três semanas, Tévez se machucou durante pelada em cadeia na Argentina

Ivan Savvidis, presidente do PAOK, invadiu gramado armado e foi suspenso do futebol por 3 anos
Reprodução
Ivan Savvidis, presidente do PAOK, invadiu gramado armado e foi suspenso do futebol por 3 anos

O dirigente ainda terá que pagar uma multa de 100 mil euros (cerca de R$ 409 mil, na cotação atual). O PAOK também foi punido e perdeu três pontos no Campeonato Grego, que ficou suspenso desde a ameaça do presidente contra o árbitro, que à época anulou um gol do seu time. A competição será retomada neste final de semana. O clube ocupa a terceira colocação, mas não tem mais chances de títulos.

Leia também: Pogba e Dembélé sofrem injúrias raciais em amistoso na Rússia, diz jornal

Há dois dias, o clube desejou feliz aniversário ao presidente: "Senhor presidente, muitos anos de saúde e todo o sucesso a nível pessoal e profissional. A família #PAOK está ao seu lado".

Mandato de prisão

De acordo com informação do jornal As, após o incidente, a Justiça grega emitiu um mandato de prisão para Ivan Savvidis. A ordem envolve ainda outras pessoas e o vice-ministro da Cultura e Esporte da Grécia , que alegou que o governo não irá permitir que este tipo de situação perturbe o futebol do país. Segundo Yorgos Vassiliadis, há ainda a possibilidade de uma decisão em conjunto com a Uefa.

Leia também: Goleiro italiano urina em campo, é expulso e pega três jogos de suspensão

"O que vimos é um ataque à honra do futebol grego, eles feriram o clube e os torcedores da equipe. Alguém que entra no campo com uma arma em suas mãos é uma provocação inadmissível, independentemente do que aconteceu", disse Panos Skurletis, ministro grego, à agência Amna.

    Leia tudo sobre: futebol
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.