Tamanho do texto

Alemão Deniz Naki alega ter sido alvo de uma tentativa de homicídio por conta de suas declarações e apoio aos curdos na Turquia

Deniz Naki, jogador do Amed SK (Turquia)
Reprodução
Deniz Naki, jogador do Amed SK (Turquia)

Neste último domingo (7), Deniz Naki foi alvo de uma possível tentativa de homicídio. O jogador do turco Amed SK dirigia por uma estrada na Renânia do Norte-Vestfália, na Alemanha , quando ouviu tiros vindo em sua direção. Segundo o atleta, o motivo pode envolver questões políticas.

LEIA TAMBÉM: Confira os 15 lugares mais incríveis e inusitados para jogar futebol pelo mundo

"Eu imediatamente me abaixei e joguei o carro para o acostamento. Eu estava com medo de morrer", disse o jogador ao jornal Die Welt . Apesar dos tiros em seu carro, Naki saiu ileso e prestou depoimento às autoridades. A polícia local ainda investiga o responsável pelo disparo e a possibilidade de uma tentativa de assassinato.

LEIA TAMBÉM: Goleiro ganha 1 ano de pizza grátis após terminar jogo sem sofrer gol

No Twitter, o jornalista Ibrahim Naber publicou uma imagem do veículo de Deniz Naki com uma bala alojada perto da janela. Um dos outros locais atingidos teria sido o pneu do carro.

LEIA TAMBÉM: Roberto Firmino é acusado de racismo na Inglaterra e pode pegar gancho pesado

Motivo político

Deniz Naki sempre se declarou apoiador dos curdos , um povo sem Estado que habita o Iraque, Irã, Turquia e Síria. O atleta, que se mostrou contra as operações militares do presidente turco Recep Tayyip Erdogan, acreditou ter sido este o fator dos tiros em seu veículo. "Eu acho que isso é uma questão política. Eu sou um alvo contínuo na Turquia porque eu faço declarações pró-curdos", afirmou à revista Spiegel .

Cansu Özdemir, uma política de esquerda do parlamento alemão e que possuí raízes turcas, afirmou que o caso do jogador se trata de uma tentativa de homicídio. "A tentativa de assassinato a Deniz Naki deixa claro: os opositores na Alemanha não têm certeza. Medo, os esquadrões de assassinato de Erdogan vão continuar até que todas as pessoas inconvenientes estejam em silêncio. A situação de ameaça séria não deve ser minimizada", escreveu.