Tamanho do texto

Goleiro italiano prestou homenagem ao brasileiro, sobrevivente do acidente aéreo com a delegação da Chapecoense, na Colômbia

Jakson Follmann é um dos seis sobreviventes do acidente aéreo da Chapecoense e foi presenteado por Gianluigi Buffon
Reprodução/Instagram
Jakson Follmann é um dos seis sobreviventes do acidente aéreo da Chapecoense e foi presenteado por Gianluigi Buffon

Considerado um dos maiores goleiros da história, Gianluigi Buffon enviou uma camisa autografada para Jakson Follmann, sobrevivente do acidente aéreo que dizimou a delegação da Chapecoense em novembro de 2016. A homenagem, foi, inclusive, publicada pelo próprio goleiro brasileiro, em sua conta do Instagram.

LEIA TAMBÉM: Chapecoense lança site "Pra Sempre Chape", em homenagens às vítimas da tragédia

"Sempre me inspirei nesse grande goleiro. Receber esse presente do Gianluigi Buffon é uma honra. Que felicidade", escreveu Follmann, que era arqueiro do time catarinense e teve uma perna amputada após o desastre na Colômbia.

LEIA TAMBÉM: Delegação da Chapecoense é recebida pelo papa Francisco no Vaticano

Veja a camisa presenteada pelo goleiro italiano:

Sempre me inspirei nesse grande goleiro. Receber esse presente do @gianluigibuffon é uma honra. Que Felicidade 🙏🙏🙏🏹🏹🏹

Uma publicação compartilhada por Jakson Follmann (@jaksonfollmann) em






Embaixador da Chapecoense, o ex-goleiro Jakson Follmann recebeu, em Brasília, o prêmio Brasil Mais Inclusão de 2017, que é dado em reconhecimento à pessoa com deficiência. Aos 25 anos, Jakson Follmann teve grande parte da perna direita amputada após o acidente com o avião da equipe catarinense no dia 29 de novembro, e tem se engajado em ações para que as pessoas com deficiência no Brasil tenham mais inclusão.

LEIA TAMBÉM: Sobrevivente da tragédia da Chapecoense tatua avião em homenagem às vítimas

O acidente

O avião com a delegação da Chapecoense que teria como destino a cidade de Medellín, na Colômbia , caiu pouco antes de pousar, matando 71 das 77 pessoas que estavam a bordo. O time jogaria a primeira partida da final da Copa Sul-Americana diante do Atlético Nacional. Entre as vítimas estão jogadores, membros da comissão técnica, diretoria, jornalistas e tripulação, caso do piloto Miguel Quiroga, que deixou a esposa e três filhos.

    Leia tudo sobre: futebol
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.