Tamanho do texto

Caso julgado em junho terminou com a condenação de duas pessoas, sendo que uma delas infiltrou a máfia entre torcedores organizados da Juventus

O Tribunal de Turim divulgou nesta sexta-feira as motivações da sentença de um processo sobre os tentáculos da 'ndrangheta na região do Piemonte, na qual diz que expoentes da máfia calabresa "controlavam" setores da torcida da Juventus.

Leia também: Antoine Griezmann lança coleção de livros para crianças inspirados em sua vida

Andrea Agnelli, presidente da Juventus, foi suspenso por 12 meses por causa de relações
Ansa
Andrea Agnelli, presidente da Juventus, foi suspenso por 12 meses por causa de relações "não permitidas" com torcidas organizadas

O caso foi julgado no último dia 30 de junho e terminou com as condenações de Saverio Dominello e seu filho, Rocco, tido como responsável por infiltrar a 'ndrangheta entre os chamados "ultras" bianconeri, torcedores da Juventus . O primeiro pegou 12 anos e um mês de prisão, e o segundo, sete anos e nove meses.

"A 'ndrangheta se impôs na torcida organizada, exercitando um verdadeiro e próprio controle sobre grupos que torcem para a Juventus", diz a sentença do Tribunal de Turim sobre o processo "Alto Piemonte" - geralmente, as motivações são divulgadas alguns meses depois da condenação.

Leia também: Após acidente de carro em Amsterdã, Agüero revela ter quebrado uma costela

Membro de uma organizada da Velha Senhora, Rocco Dominello liderou a inserção da máfia calabresa no lucrativo negócio de revenda de ingressos, caso que motivou uma investigação na esfera desportiva contra o presidente do clube italiano, Andrea Agnelli.

De acordo com o tribunal, ultras repassavam bilhetes para partidas a preços majorados e exerciam uma "relevante força intimidadora sobre o clube", porém "agiam sob controle direto" da 'ndrangheta. O inquérito contra Agnelli, conduzido pela Federação Italiana de Futebol (Figc), resultou em uma suspensão de 12 meses contra o cartola por causa de relações "não permitidas" com torcidas organizadas.

Em sua sentença, o tribunal da Figc escreveu que o presidente da Juventus "ajudou e, de certa forma, endossou condutas ilícitas" para manter um "bom relacionamento" com os ultras, inclusive por meio da cessão de ingressos, mas concluiu que ele não sabia do papel mafioso de Dominello, com quem tivera contatos esporádicos.

Leia também: Maradona aciona a Justiça e acusa filhas de terem escondido R$ 5,7 milhões

Em campo

Atual hexacampeã do Campeonato Italiano, a Juventus ocupa a segunda colocação, com 18 pontos em seis jogos disputados, assim como o líder Napoli. Na Liga dos Campeões, o time de Turim está na terceira posição, com três pontos em dois jogos disputados.

    Leia tudo sobre: futebol
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.