Vasco já tem um pré-acordo para negociar SAF com grupo americano
Divulgação
Vasco já tem um pré-acordo para negociar SAF com grupo americano

Vasco deve anunciar nesta segunda-feira a assinatura de um  acordo com o grupo americano 777 Partners para a compra dos ativos da SAF que a diretoria pretende criar.

O presidente Jorge Salgado está nos Estados Unidos, onde acertou os últimos detalhes do documento. As conversas com o grupo começaram há três meses.


Entenda seis pontos sobre o processo que pode transferir para os americanos o controle do futebol vascaíno:

Acordo não é compra
O documento assinado não significa a compra dos ativos da SAF do Vasco, que ainda nem foi criada. Ele tem validade de 90 dias e sinaliza os termos acordados entre as partes. Nesse período, clube e empresa deverão realizar os trâmites burocráticos o que inclui a aprovação da criação da SAF.

A criação da SAF
Não depende apenas da diretoria do Vasco, a criação da SAF. Jorge Salgado levará a criação da sociedade anônima para votação. Primeiro, no Conselho Deliberativo, posteriormente, em Assembleia Geral. A ideia da diretoria é esmiuçar o acordo com a 777 Partners para apreciação de conselheiros e associados.

Leia Também

Valores
De acordo com o acerto, o grupo, de saída, realizará um empréstimo de R$ 70 milhões para o Vasco. O montante será usado para quitação de dívidas de curto prazo e manutenção do futebol em 2022, com o objetivo de o time retornar à Série A. Caso a SAF seja aprovada, esses R$ 70 milhões serão descontados do montante geral que o grupo se compromete em injetar na SAF: R$ 700 milhões, por 70% dos ativos. Os outros 30% dos ativos da SAF seguirão sendo do clube e parte deles podem ser negociados posteriormente para a entrada de mais recursos na SAF. O clube manterá no mínimo 10% dos ativos da SAF, o que garante a manutenção do nome, das cores, do escudo e do uniforme, além da permanência da equipe no Rio de Janeiro.

Se a SAF não passar, os R$ 70 milhões se juntarão a outros passivos do cruz-maltino.

Dívida vascaína
De acordo com o Regime Centralizado de Execuções, criado pela Lei da SAF, 20% das receitas da SAF devem ser destinadas para o pagamento de passivos do Vasco. O montante da dívida está atualmente na casa dos R$ 700 milhões. Essa dívida precisa ser quitada em até dez anos. Nos primeiros seis, no mínimo R$ 420 milhões. O restante nos outros quatro. Se os resultados financeiros da SAF não permitirem esse pagamento, caberá a 777 Partners arcar com esse pagamento.

O que a SAF herda do clube
A SAF do Vasco vai herdar praticamente todas as fontes de receita do clube existentes (direitos de transmissão, patrocínios, bilheteria, sócio-torcedor e direitos econônimos dos jogadores). O patrimônio físico do clube seguirá sendo do clube (São Januário, Calabouço, Sede Náutica, centros de treinamento).

O que o clube ganha da SAF
Os R$ 700 milhões prometidos pela 777 Partners não entram nos cofres do clube, com exceção dos R$ 70 milhões de empréstimo. O clube ganhará da SAF R$ 1 milhão anuais referentes a royalties, a quitação do passivo de R$ 700 milhões via pagamentos das parcelas do RCE e mais o aluguel de São Januário.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários