Lance

Ronaldinho Gaúcho arrow-options
Reprodução
Ronaldinho Gaúcho


Neste domingo, o imbróglio envolvendo Ronaldinho Gaúcho e seu irmão, Assis, ganhou mais um episódio. O advogado do ex-jogador e Assis, Sergio Queiroz, concedeu entrevista coletiva onde tentou justificar os atos de seus clientes e afirmou que o craque agiu de 'boa fé'.

Leia também: Fora passaporte falso, Ronaldinho Gaúcho teria cometido outros crimes

"Eles não sabiam que os documentos eram ilegais. Eles apresentaram os documentos de boa fé e na total ausência de má intenção. Ronaldo e Assis não sabiam que os documentos eram irregulares. O Ministério Público entendeu isso", disse.

O advogado dos brasileiros ainda comentou que as autoridades diplomáticas do Brasil estão observando o caso, mas sem qualquer intervenção no processo judicial.

Leia também: Ronaldinho e Assis iam ser naturalizados, mas dizem que não sabiam

"O cônsul não defende partido, nem Ronaldinho, nem Assis, ou qualquer cidadão. Ele supervisiona, auxilia e procura dar condições diplomáticas para que o direito à defesa seja exercido. Houve uma resolução de não continuar o processo contra Ronaldo e Assis e, a partir daí, várias irregularidades ocorreram dentro de 24 horas. Eu não pretendo pressionar o presidente (Bolsonaro). Como advogado, tenho que cuidar do processo. Questões diplomáticas serão tratados pelo cônsul e as autoridades brasileiras responsáveis", finalizou.

    Veja Também

      Mostrar mais