O Flamengo explicou o motivo da proibição da entrada de duas famílias de jovens mortos no incêndio no Ninho do Urubu neste sábado, quando a tragédia completa um ano, e a falta de convite a todos os parentes para missas do clube e para o jogo contra o Madureira, no Maracanã.

Leia também: Flamengo vence Madureira e garante classificação em noite de homenagens

flamengo
Reprodução/Flamengo da Gente
Ação de torcedores do Flamengo em homenagem a jovens mortos


De acordo com a assessoria do Flamengo , apenas familiares de Pablo Henrique foram liberados, uma vez que combinaram com o CEO Reinaldo Belotti durante a CPI dos incêndos na Alerj, nesta sexta-feira.

Membros da diretoria que foram à sessão na Alerj acreditam que advogada de Pablo Henrique, Mariju Maciel, levou outros representantes que não haviam combinado a ida com o clube para criar uma situação de constrangimento.

O departamento de comunicação informou ainda que não havia ninguém no Centro de Treinamento que pudesse autorizar a entrada de outros representantes. Vale ressaltar que quem libera a circulação de pessoas é o próprio Belotti, não o departamento de futebol.

O Flamengo alega que quando iam autorizar os familiares de Christian Esmerio e Jorge Eduardo já haviam ido embora. E que a autorização não chegou antes pois os dirigentes, como Belotti e o presidente Rodolfo Landim, estavam em uma missa na Paróquia São Judas Tadeu, no Cosme Velho.

- Não estava no Ninho hoje, estava na missa, na capela. A orientação que a gente deu foi que fizesse isso a partir das 16h, que aí não teria o treino dos jogadores. Ontem, foi alegado pela família do Pablo que eles iam viajar cedo e isso foi flexibilizado - disse Landim ao canal Paparazzo Rubro-negro.

A cerimônia feita pelo clube também não foi extensiva aos familiares, que não receberam convite. O Flamengo informou, desta vez, que também não convidou para outras missas ao longo do ano pois se tratava de um ato do clube.

Leia também: Presidente do Flamengo diz que familiares só "fizeram barulho" por espaço na TV

O mesmo critério foi utilizado para não convidar nenhum dos dez parentes para o jogo contra o Madureira no Maracanã. A justificativa exposta pelo departamento de comunicação é que o Flamengo não quer fazer demagogia e quer ser coerente, já que ainda não fechou acordo com todas as famílias.

    Leia tudo sobre: Futebol

    Veja Também

      Mostrar mais