Tamanho do texto

Depois de muitas etapas e burocracia, a obra deve começar em janeiro; veja

arena arrow-options
Reprodução/Twitter
Arena do Atlético Mineiro será construída

Minas Gerais - O sonho do torcedor do Atlético-MG está perto de acontecer. O clube conseguiu oficialmente a autorização para dar início das obras da Arena MRV, depois de muitas etapas burocráticas para tirar o projeto do papel.

Leia também: Atlético-MG tem reunião com Sampaoli; estrutura é trunfo para ter o argentino

A liberação para o início dos trabalhos veio após uma reunião na tarde desta sexta-feira, 20 de dezembro, doo Conselho Municipal de Meio Ambiente de Belo Horizonte(COMAM), que votou e aprovou, por unanimidade, o pedido de Licença de Instalação da das obras do estádio do Atlético .

A partir dessa liberação, com a obtenção do DAIA(Documento Autorizativo para Intervenção Ambiental), que autoriza terraplanagem do terreno no bairro Califórnia a partir de janeiro de 2020.

Com a instalação da obra de forma oficial, os próximos passos da construção terão a terraplanagem, que deve durar cerca de 3 a 4 meses, antes do erguimento dos pavimentos do estádio e demais áreas que serão construídas.

O Galo vai precisar de ter um alvará de construção, que será emitido pela Secretaria de Regulação Urbana da Prefeitura de Belo Horizonte. As obras tem previsão de serem concluídas após 30 meses, em meados de 2022.

Leia também: Fred perde batalha na Justiça e está perto de pagar R$ 10 milhões ao Galo

A jornada da Arena MRV foi intensa, tendo de superar vários trâmites burocráticos, como o cumprimento de 50 condicionantes, cinco medidas compensatórias de ordem ambiental no valor de R$ 70 milhões. O terreno do estádio atleticano também fez acordos de preservação de áreas verdes e contrapartidas ambientais com órgãos do meio ambiente.



O orçamento total da Arena MRV está prevista em R$ 410 milhões. O clube conseguiu arrecadar esse valor vendendo metade da sua participação no Diamond Mall por R$ 250 milhões, R$ 160 milhões por meio de naming rights, com R$ 60 milhões já garantidos pela MRV Engenharia, e venda de cadeiras cativas, R$ 100 milhões, com 60% da venda já garantida pelo Banco BMG .

    Leia tudo sobre: Futebol