Tamanho do texto

Na última partida do ano no Maracanã, o Flamengo não poupou gols e deu um show, goleando os catarinenses por 6 a 1

Flamengo arrow-options
Agência O Globo
Flamengo

O corajoso torcedor que enfrentou a forte chuva que caiu ontem no Rio de Janeiro queria festejar no Maracanã. Era o momento de dar o último ‘abraço’ antes do rubro-negro viajar ao Mundial de Clubes e também pedir pela permanência dos ídolos. Felizmente, o Flamengo retribuiu o carinho goleando o Avaí por 6 a 1, em noite recheada de emoções.

Não foram poucos os cantos de “fica, Gabigol ” e “fica, Mister” vindos dos 69.090 presentes. Até bandeiras foram customizadas especialmente para clamar pela permanência da dupla. O jogo pouco importava esportivamente, mas valia muito sentimentalmente. 

Mesmo que a cabeça do Flamengo já esteja no Mundial — apesar de Jorge Jesus, escalou apenas quatro titulares, não admitir —, era preciso fechar com o chave de ouro o ciclo num Maracanã que sediou tantas alegrias ao longo deste “ano mágico”.

As poças de chuva no campo atrapalharam, mas nada podia impedir o campeão de bailar diante do lanterna. A começar com Arrascaeta, que marcou após cobrança ensaiada de falta, a mesma que deu certo contra o Vasco.

O susto no empate do Avaí, em chute feliz de Lourenço, logo foi ignorado pelo golaço de Diego. Tudo preliminar para o momento mais marcante — e de lágrimas.

Gabigol, ao marcar seu 43º gol no ano, beijou o escudo e o gramado do Maracanã, um gesto comum despedida.

— Espero que esse carinho continue independente do que aconteça — indagou.

A vitória virou goleada quando Lincoln marcou o quarto e Reinier fechou a conta com o quinto e o sexto. Os aplausos merecidos após o apito final vieram juntos de um recado para o Mundial: “Liverpool, pode esperar, a sua hora vai chegar”.