Lance

Um grupo de conselheiros do São Paulo elaborou um pedido de impeachment do presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, cujo mandato termina em dezembro de 2020. A informação foi divulgada inicialmente pelo Globo Esporte.

Leia também: Torcida protesta contra Leco, Raí e atletas durante treino do São Paulo

Leco
Rubens Chiri/Divulgação
Leco



O requerimento que será protocolado no Conselho Deliberativo tem 50 assinaturas (o órgão tem 240 membros no total) e se baseia em suposta "gestão temerária de Leco" , sob o argumento de o orçamento está estourado em mais de 5% - o clube registrou déficit de R$ 76,5 milhões entre janeiro a agosto e, em relatório entregue a todos os seus conselheiros, admitiu a necessidade de vender jogadores para normalizar a situação.

Leia também: Simbólico: São Paulo garante G8 graças a Ceni e é surrado com Diniz

Outro ponto citado no documento é a celebração de documentos sem a anuência prévia do Conselho Deliberativo. Em 2 de julho de 2019, o órgão votou para aprovar empréstimos bancários que o clube já havia acertado anteriormente.

A diretoria acredita que os argumentos são improcedentes. Primeiro pelo fato de ainda ser possível cobrir o rombo no orçamento até o fim do ano - a expectativa é arrecadar pelo menos R$ 80 milhões em vendas de jogador, possivelmente de Antony, que desperta interesse na Alemanha. Depois porque, segundo os pares de Leco, tanto o Conselho de Administração quando o Conselho Deliberativo aprovaram ainda no ano passado a busca por empréstimos bancários em caso de necessidade.

Leia também: Filho de Felipe Melo posa com Gabigol no hotel do Flamengo

O presidente do Conselho Deliberativo, Marcelo Abranches Pupo Barboza, agora precisa analisar o pedido e decidir se dá prosseguimento ao processo. O Estatuto prevê a convocação de uma assembleia geral do Conselho no prazo de 30 dias para que o impeachment seja votado. Leco ficaria suspenso até a realização desta reunião e perderia o mandato em caso de aprovação de pelo menos dois terços do total de Conselheiros - ou seja, 160 votos a favor da destituição, o que é considerado bastante improvável devido à grande quantidade de grupos de situação. Em caso de impedimento, quem assume é o vice-presidente: hoje, Roberto Natel.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários