Tamanho do texto

Confederação Brasileira de Futebol atendeu ao pedido do Ministério Público e da Polícia Militar de São Paulo

Palmeiras e Flamengo se enfrentam às 16h de domingo (01) no Allianz Parque arrow-options
Gilvan de Souza / Flamengo
Palmeiras e Flamengo se enfrentam às 16h de domingo (01) no Allianz Parque

A Confederação Brasileira de Futebol decidiu, nesta sexta-feira (29), que a partida entre Palmeiras e Flamengo, que acontece no próximo domingo (01), no Allianz Parque, terá apenas torcedores do clube paulista por motivos de segurança.

Leia também: Marcos provoca Gabigol com antiga postagem do atacante em rede social

A decisão vem após pedido do Ministério Público e da Polícia Militar de São Paulo, que alertaram a CBF sobre o grande risco de confrontos entre as torcidas de Palmeiras e Flamengo no dia da partida.

A PM afirma também que existia o risco de emboscadas nas estradas que ligam Rio de Janeiro e São Paulo, além de que os Rubro-Negros seriam ajudados pelas organizadas do São Paulo, enquanto as do Vasco apoiariam os palmeirenses.

Leia também: Barça quer Jorge Jesus e Sampaoli é o favorito para substituí-lo no Fla, diz TV

Após a decisão, o Flamengo divulgou uma nota oficial contra a determinação de torcida única no jogo de domingo no Allianz Parque , citando o princípio de reciprocidade entre as equipes, já que no primeiro turno, 10% dos ingressos da partida foram destinados para a torcida do Palmeiras, que se fez presente.

Confira os argumentos do Flamengo:

- O artigo 86 do Regimento Geral das Competições de 2019 prevê ao clube visitante direito de adquirir a quantidade máxima de 10% da capacidade permitida ao estádio. A não permissão deste direito seria uma grave violação dos direitos dos torcedores e clubes, indo contra a natureza do espetáculo e da competição;

- Não foi respeitado o princípio da reciprocidade: no primeiro turno, o Flamengo garantiu à Sociedade Esportiva Palmeiras a carga de 10% dos ingressos para o jogo no estádio do Maracanã, tendo a Polícia Militar garantido completamente a segurança e integridade física de todas as pessoas envolvidas no evento;

- O MP-SP ou qualquer outro Ministério Público não tem legitimidade para fazer recomendações a entidades privadas. O mesmo deveria ter pleiteado tal cenário junto ao Poder Judiciário.