Tamanho do texto

Meio-campista e treinador protagonizaram cena vergonhosa e se xingaram à beira do gramado durante o empate diante do Santos, pelo Brasileirão

Ganso e Oswaldo de Oliveira discutiram feio em campo%2C se xingando arrow-options
Magá Jr/Ofotográfico/Agência O Globo
Ganso e Oswaldo de Oliveira discutiram feio em campo, se xingando

Paulo Henrique Ganso e Oswaldo de Oliveira trocaram farpas durante o duelo contra o Santos, na noita de quinta-feira, no Maracanã, e que terminou empatado em 1 a 1. O treinador do Fluminense substituiu o camisa 10 no segundo tempo e isso iniciou uma grande discussão entre os dois.

Leia também: Oswaldo quer que Ganso e Nenê joguem como Pelé e Tostão no Fluminense

Enquanto caminhava em direção ao banco de reservas, Ganso olhou para Oswaldo e falou: "Burro, burro para cara***!". O treinador se virou para o banco de reservas e respondeu ao jogador: "Você é vagabundo!".

Após a igualdade, Ganso falou sobre seu bate boca com Oswaldo de Oliveira na beira do gramado. Questionado se ainda havia clima para trabalhar com o treinador, o camisa 10 deixou claro que 'trabalha para o Fluminense'.

"Eu não trabalho para o Oswaldo, eu trabalho para o Fluminense. Vou procurar sempre ajudar meus companheiros dentro de campo. Foi uma discussão dentro de campo, não tem como 'pedir por favor e falar obrigado'. Na saída um discutiu com o outro mas isso faz parte. Vamos ver o que vai acontecer", disse o camisa 10.

A versão do treinador

A confusão entre Oswaldo de Oliveira e Paulo Henrique Ganso foi o tema principal da coletiva do Fluminense. O treinador falou sobre seu atrito com o camisa 10 e revelou que os dois se abraçaram no vestiário. 

"O Fluminense vive um momento muito especial, de tensão. Muitas coisas passadas voltam. E todos nós, que se envolvem com a camisa do Fluminense, vivemos um momento muito difícil. Muito intenso. Às vezes, os ânimos passam dos limites como aconteceu hoje. Está tudo resolvido, entre eu e o jogador", comentou Oswaldo.

Leia também: Seguranças do metrô são flagrados agredindo torcedores do Fluminense; assista

"É natural que, em uma situação adversa, haja o desentendimento. Eu não desrespeito ninguém, principalmente um superior meu. No momento que fui desrespeitado, tomei a atitude que deveria tomar. Depois, resolvemos. A hostilidade passou do limite. Eu tomei a iniciativa na frente de todo mundo. Chamei, dei um abraço e falei que as coisas se resolvem assim. Ele aceitou, é claro", revelou o comandante.

Questionado se Ganso merece ser punido pelo episódio, Oswaldo afirmou ser uma atitude que cabe à diretoria do clube e não ao treinador. "A diretoria está acima. Eu tomei a decisão que me cabia. A diretoria que precisa saber o que fazer. A minha opinião não vem ao caso. Se eles perguntarem minha opinião, darei para eles", completou o treinador.

    Leia tudo sobre: Futebol