Tamanho do texto

Esposa de Edison é uma das sete pessoas acusadas pelo crime, que aconteceu em outubro do ano passado

Cris Brittes saiu da prisão arrow-options
Reprodução / Canal Ciências Criminais
Cris Brittes saiu da prisão

Cris Brittes, mulher do assassino confesso do jogador Daniel e que também responde pelo crime, deixou a prisão na noite da última quinta-feira após receber liberdade provisória concedida pela  juíza Luciani Regina Martins de Paula, da 1ª Vara Criminal de São José dos Pinhais.

Leia também: Cris Brittes diz que Daniel estava segurando seu seio e com "pênis para fora"

Ela estava na Penitenciária Feminina de Piraquara, na Região Metropolitana de Curitiba. Cris Brittes é uma das sete pessoas acusadas pelo crime e estava presa desde outubro do ano passado.

A mulher de Edison Brittes , que confessou ter matado Daniel Corrêa, responde por homicídio qualificado por motivo torpe, coação do curso de processo, fraude processual e corrupção de menor.

Leia também: Imagens inéditas do celular de Daniel mostram intimidade com Allana Brittes

Nas audiências da semana passada, Cristiana desafabou à juíza e chorou bastante ao relatar o que havia acontecido na manhã do crime. Segundo a ré, ela estava presa de forma injusta.

"Isso que não entendo. Eu estava dormindo na minha casa, na minha cama, no meu quarto dormindo. E fui presa por isso. Eu fui abusada pelo Daniel. Ele não é santo, ele estava em cima de mim com o pênis de fora. Tem fotos que comprovam que ele estava no meu quarto", disse a moça em seu depoimento.

Leia também: Swing, divórcio, briga... o que apareceu de novo no Caso Daniel

O Depen-PR (Departamento Penitenciário do Estado do Paraná) divulgou quais são as medidas cautelares que Cristiana deve seguir. Confira abaixo:

  • Comparecimento periódico bimestral (uma vez a cada dois meses) em juízo, para informar e justificar suas atividades;
  • Proibição de acesso ou frequência à bares e casas noturnas;
  • Proibição de manter contato, diretamente ou por interposta pessoa (inclusive mediante contato telefônico, ou qualquer outro meio de comunicação) com testemunhas e demais partes do presente processo, eis que por circunstâncias relacionadas ao delito, deve a ré delas permanecer distante, a fim de evitarem-se eventuais ameaças, constrangimentos ou interferências de qualquer espécie;
  • Proibição de ausentar-se da Comarca (compreende-se a capital e os demais municípios que compõem a Comarca de Curitiba) sem autorização prévia;
  • Monitoração eletrônica para que a ré possa circular em São José dos Pinhais e Curitiba.

 Sobre a monitoração eletrônica:

  • O período de monitoração eletrônica será de 90 dias, prorrogáveis por igual período, quantas vezes se fizer necessária a prorrogação, a partir da data da instalação da tornozeleira, nos termos da Corregedoria-Geral da Justiça do Estado do Paraná;
  • Deverá a ré recolher-se à sua residência impreterivelmente às 20h, permanecendo até às 6h do dia seguinte, para o repouso noturno, bem como nela deverá permanecer, ininterruptamente, aos finais de semana, feriados e dias de folga;
  • Não poderá a ré retirar, danificar, ou de qualquer outra forma obstruir o devido monitoramento por meio da tornozeleira eletrônica, ou permitir que terceiro o faça, e deverá ele observar as demais orientações fornecidas pela Central de Monitoração Eletrônica acerca do bom funcionamento do aparelho;
  • Deverá a ré cumprir rigorosamente as determinações de manutenção do equipamento eletrônico.

Os acusados do crime

A família Brittes%3A Cristiana%2C Edison e Allana arrow-options
Instagram
A família Brittes: Cristiana, Edison e Allana

Em 29 de novembro de 2018, a Justiça do Paraná decretou a prisão preventiva de seis pessoas. Ainda há uma sétima ré: Evellyn Brisolla Perusso, com quem Daniel "ficou" naquela noite e cometeu falso testemunho, que responde em liberdade. Allana e Cris Brittes também respondem em liberdade após conseguirem habeas corpus.

  • Edison Brittes Júnior : acusado de homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual e corrupção de menor e coação no curso do processo;
  • Cristiana Brittes : acusada de homicídio qualificado por motivo torpe, coação do curso de processo, fraude processual e corrupção de menor. Ela responde em liberdade;
  • Allana Brittes : acusada de coação no processo, fraude processual e corrupção de adolescente. Ela conseguiu habeas corpus e responde em liberdade;
  • Ygor King : acusado de homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual e corrupção de menor;
  • Eduardo Henrique da Silva : acusado de homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual e corrupção de menor. Ele é primo de Cris Brittes;
  • David William Vollero Silva : acusado de homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual, corrupção de menor e denunciação caluniosa;
  • Evellyn Brisola Perusso : acusada de denunciação caluniosa, fraude processual, corrupção de menor e falso testemunho. Responde em liberdade.