Tamanho do texto

Do goleiro ao ponta esquerda, veja a escalação dos "bad boys" da bola

Eles já escreveram o nome na história do futebol. Aposentados ou ainda na ativa, são e serão lembrados não por lances geniais, mas pela truculência. Estamos falando dos jogadores mais violentos do futebol. Alguns acumularam recordes de expulsões, outros protagonizaram cenas de pura indisciplina. Há também aqueles que “sabem bater”, sem que o árbitro perceba. O fato é que estes atletas levam consigo o rótulo de “bad boy” pela conduta nada cordial dentro de campo e, muitas vezes, também fora dele.

Leia também: Relembre alguns atletas que morreram no auge de suas carreiras

Do goleiro ao ponta esquerda, veja abaixo uma seleção com os jogadores mais violentos do futebol :

Goleiro: Fábio Costa

Fábio Costa arrow-options
Divulgação
Fábio Costa

Teve passagens marcantes por Santos e Corinthians. Encerrou a carreira em 2013. Não era de levar desaforo para casa. Sempre que podia, chegava mais forte nos adversários e não fugia das confusões.

Lateral-direito: Fagner

Fagner dá entrada violenta e quebra perna de Ederson arrow-options
Divulgação
Fagner dá entrada violenta e quebra perna de Ederson

Jogador do Corinthians, Fagner é o típico exemplo de atleta que “sabe bater” sem ser punido. Em 2016, ficou marcado por dar uma entrada desleal no meia Ederson, do Flamengo, que acabou fraturando a perna. O árbitro sequer marcou falta.

Zagueiro: Pepe

Pepe arrow-options
Reprodução
Pepe

Atualmente no Porto, Pepe jogou pelo Real Madrid por dez anos. No clube merengue, protagonizou lances brutais.

Zagueiro: Materazzi

Materazzi arrow-options
Reprodução/Wikimedia Commons
Materazzi

O defensor marcou época na Inter de Milão e pendurou as chuteiras em 2014. Além das divididas fortes, também ficou marcado por irritar os rivais com suas provocações. Ironicamente, é lembrado justamente por ter sido vítima de um lance violento, quando levou uma cabeçada de Zidane na final da Copa do Mundo de 2006.

Lateral-esquerdo: Gerardo Bedoya

Gerardo Bedoya arrow-options
Reprodução/Wikipedia
Gerardo Bedoya

Jogador colombiano, se aposentou em 2015. Possui no currículo uma marca incontestável: é o atleta que mais vezes foi expulso de campo na história do futebol, com 46 cartões vermelhos.






Volante: Felipe Melo

Felipe Melo arrow-options
Divulgação
Felipe Melo

Expulsões em jogos decisivos, cusparada, brigas, discussões. O jogador do Palmeiras sempre está envolvido em alguma polêmica. Até aqui, o atleta já acumula 24 expulsões ao longo da carreira.

Volante: Cocito

Cocito dá carrinho em Kaká arrow-options
Reprodução
Cocito dá carrinho em Kaká

Identificado principalmente por sua passagem pelo Athletico-PR, Cocito deixou os gramados em 2009. O jogador distribuía carrinhos violentos contra os rivais. Sua vítima mais famosa foi Kaká, que, durante sua primeira passagem pelo São Paulo, deixou o campo chorando após receber uma entrada de Cocito em jogo do Brasileirão de 2001.

Meia: Simeone

Simeone arrow-options
Reprodução
Simeone

Atualmente técnico do Atlético de Madrid, Simeone era o pesadelo dos jogadores que o enfrentavam. Seu destempero ficava evidente principalmente nos jogos entre Brasil e Argentina.

Atacante: Éric Cantona

Éric Cantona arrow-options
Divulgação
Éric Cantona

Ex-jogador francês se destacou no Manchester United na década de 1990. Além de seus lances violentos, ficou marcado por dar uma voadora em um torcedor que estava na arquibancada, após ter sido expulso em uma partida do Campeonato Inglês.

Atacante: Serginho Chulapa

Serginho Chulapa ao lado de Ricardo Oliveira arrow-options
Ivan Storti/Santos FC
Serginho Chulapa ao lado de Ricardo Oliveira

Maior artilheiro da história do São Paulo, Chulapa foi o rei das confusões. Protagonizou incontáveis lances violentos. Deu cotoveladas, cabeçadas e pontapés, em agressões envolvendo outros jogadores e até a arbitragem.

Atacante: Edmundo

Edmundo arrow-options
Reprodução
Edmundo

Hoje comentarista de TV, Edmundo se transformava dentro das quatro linhas. Pontapés, entradas desleais e brigas fizeram parte de seu repertório de indisciplina.

    Leia tudo sobre: Futebol