Tamanho do texto

Meio-campista da Ponte Preta encontrou uma maneira de se fortalecer mentalmente e potencializar a sua performance dentro de campo

Rafael Longuine%2C meia da Ponte Preta arrow-options
Ponte Press / Divulgação
Rafael Longuine, meia da Ponte Preta

Depois de retornar à titularidade da Ponte Preta na última rodada da Série B, no empate em 2 a 2 com o Sport, Rafael Longuine deve ser mantido entre os 11 iniciais pelo técnico interino Felipe Moreira, para o duelo desta terça-feira (27), contra o Brasil de Pelotas, às 19h15, no estádio Bento Freitas.

Leia também: Jogador esquecido pega táxi para o estádio, é titular e quebra perna com 13 min

Um recomeço para o meio-campista Rafael Longuine , que precisou se recompor depois de ficar dois meses afastado dos gramados por causa de uma lesão.

No início de junho, Longuine foi diagnosticado com edema ao redor do tendão do músculo reto femoral da coxa direita e ficou sem atuar por um pouco mais de dois meses. Antes, ele já havia se machucado na pré-temporada - quando ainda estava no Santos - e voltou a ter problemas na mesma coxa no duelo contra o Botafogo-SP, no Paulistão.

Para superar tais altos e baixos e alcançar novos objetivos com a equipe na temporada, o meia tem encontrado no coaching a maneira de se fortalecer mentalmente e potencializar a sua performance dentro de campo. Para isso, uma vez por semana, Rafael tem sessões de até 1h30 com a coach esportiva Amanda Ciaramicoli. E já nota a diferença.

"Esse ano foi bastante difícil, porque não estava acostumado a ficar tanto tempo parado em minha carreira. É sempre ruim ficar longe daquilo que amamos fazer, dos jogos, treinos, o dia a dia mesmo. Mas estou muito feliz em voltar e poder atuar sem dores. É um momento de gratidão", disse o jogador em entrevista ao iG Esporte , via assessoria.

"Eu tenho feito o acompanhamento de coaching e está sendo muito bom pra mim. São momentos que acabamos conversando e pensando em alguns detalhes da nossa rotina que, às vezes, nós mesmos nem percebemos. Está sendo muito bom para que eu evoluir em muitas situações", completou.

Por meio da metodologia que visa a autonomia para elevar a performance em esportes de alto rendimento, também denominada de 3S (sustained self sufficiency - auto-suficiência sustentada em tradução livre), Rafael Longuine se mostrou otimista com o trabalho que até então era uma novidade para ele.

"Eu me surpreendi pelo lado positivo, pois estou gostando muito de ter esse acompanhamento. A nossa rotina no futebol é sempre de muita pressão, muita cobrança, e quando você trabalha a mentalidade acaba lidando melhor com algumas situações. Acho muito importante ter alguém que ajude a sempre pensar positivo e evoluir em tudo na vida", disse.

Leia também: Vasco divulga nota de repúdio após gritos de homofobia em estádio

A coach Amanda Ciaramicoli, que atua há alguns anos na área esportiva e já realizou trabalhos com o corintiano Emerson Sheik, também falou sobre os benefícios da prática para Longuine e o método 3S desenvolvido por ela.

"O Rafael é muito dedicado, focado e concentrado em todas as tarefas. Desde que começamos, já tivemos evolução, principalmente, na parte mental, concentração e de conseguir segurar as emoções. Sabemos que entre os pilares que são indispensáveis para o atleta, o lado mental é de extrema importância, então quando ele está disposto a exercitar o cérebro, a neuroplasticidade, que faz toda a diferença inclusive no auxílio para a recuperação de lesão, com certeza, que é muito fundamental", explicou.

Contra o Brasil de Pelotas, Rafael Longuine entrará em campo com o corpo e a mente prontos para vencer. Afinal, a Macaca precisa de um resultado positivo para se reabilitar na Série B do Campeonato Brasileiro e não se distanciar do G4.

    Leia tudo sobre: Futebol