Tamanho do texto

Allana está presa pelos crimes de coação de testemunhas, fraude processual e corrupção de menores; julgamento está marcado para o dia 6 de agosto

Lance

Cris Brittes e Allana Brittes arrow-options
Reprodução
Cris Brittes e Allana Brittes

A Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) definiu a data da sessão de julgamento do pedido de habeas corpus (HC) de Allana Brittes, filha do empresário Edison Brittes, réu confesso pela morte do jogador Daniel Corrêa de Freitas, em outubro do ano passado. Os ministros irão se reunir, em Brasília, às 14h do dia 6 de agosto para, pelo colegiado, deliberarem sobre esta ação que pede a liberdade provisória de Allana, presa desde novembro de 2018.

Leia mais: Família Brittes terá que se explicar! Veja os próximos passos do caso Daniel

Allana Brittes responde pelos crimes de corrupção de menores, coação de testemunhas e fraude processual no caso Daniel . Relator do pedido de HC no STJ , o ministro Sebastião Reis Júnior havia negado, em março deste ano, o pedido liminar monocrática pela liberdade da acusada. Nos autos, a defesa de Allana alegou que teve "constrangimento ilegal consistente na ausência de fundamentação na decisão que decretou a prisão preventiva".

Foi sustentado também pela defesa de Allana Brittes que ela "sequer foi indiciada pelo homicídio do jogador, tendo sido mantida como personagem secundária do quadro imputacional, sendo que suas condutas teoricamente reprováveis sempre foram efetivadas em desdobramentos das ações do então investigado principal, Edison, que é seu pai". Foi dito ainda que "todas as condutas atribuídas à ré na prefacial são claramente submissas às condutas de seu pai, corréu Edison , não havendo protagonismo individual da peticionária em nenhum dos potenciais crimes que lhe são tributados".

Leia mais: Swing, divórcio, briga... o que apareceu de novo no Caso Daniel na última semana

Daniel , de 24 anos, à época atleta do São Bento, foi encontrado morto em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba. O principal suspeito da morte é Edison Brittes. O empresário admitiu que cometeu o crime por conta de uma suposta tentativa de estupro do jogador contra a sua mulher, Cristiana, fato que os investigadores já descartaram. Daniel havia participado da festa de aniversário da filha do casal, Allana, que terá seu pedido de HC julgado no próximo mês. No mesmo período, os acusados prestarão depoimento.