Tamanho do texto

Eduardo Bandeira de Mello e outros sete indiciados não são denunciados pelo MP no caso do incêndio no Flamengo; inquérito volta para a Polícia Civil

Lance

Entrada do Ninho do Urubu, o CT do Flamengo no Rio de Janeiro arrow-options
Twitter/Reprodução
Entrada do Ninho do Urubu, o CT do Flamengo no Rio de Janeiro


Na tarde desta quarta-feira, o Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) repassou à Polícia Civil o inquérito do incêndio no Ninho do Urubu, ocorrido em fevereiro deste ano e que foi responsável por matar dez atletas da base do Flamengo - além de ferir outros três. O MP-RJ não considerou suficientes as provas apresentadas no relatório final da Polícia Civil contra Eduardo Bandeira de Mello e outros sete indiciados para denunciá-los à Justiça, de acordo com informações do site Globo Esporte.

Leia mais: Vantagem financeira de Palmeiras e Flamengo aumenta sobre rivais

Agora, caberá à Polícia Civil, que havia indiciado oito pessoas com dolo eventual, incluindo Bandeira de Mello , aprofundar-se nas investigações. 

Além de Bandeira, foram indiciados Danilo da Silva Duarte, Fábio Hilário da Silva e Weslley Gimenes, engenheiros da NHJ, Luiz Felipe Pondé e Marcelo Sá, engenheiros do Flamengo , Edson Colman da Silva, técnico em refrigeração, e Marcus Vinícius Medeiros, monitor do Flamengo.

O Ministério Público emitiu um texto oficial, no retorno das investigações à 42ª DP, "pelo prazo de 45 dias para a realização de quatro diligências". São elas:

- Depoimento de Lucia Helena Pereira Damasceno de Lima, gerente da 5ª Gerência de Licenciamento e Fiscalização da Prefeitura. Ela acusa o Flamengo e seus dirigentes de ter colaborado para o resultado do evento, por não ter cumprido o auto de interdição do Ninho do Urubu.

- Depoimento de Fernando Anmibolete, presidente da ASPROCITEC (Associação dos Profissionais de Ciência e Tecnologia). A instituição denunciou que a empresa que construiu os contêineres que pegaram fogo, a NHJ, não estava regularizada junto ao CREA (Conselho Regional de Engenharia).

- Consulta ao Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE) para que seja esclarecido se o mobiliário do alojamento incendiado colaborou para a propagação das chamas e o resultado verificado.

- Elaboração de Autos de exame de corpo de delito indiretos, com base nas informações dos boletins de atendimento médicos (BAMs) das vítimas sobreviventes.

Leia mais: Conheça jornalista portuguesa que está no Fla seguindo os passos de Jorge Jesus

MAIS SOBRE O FATO

O incêndio no alojamento nas divisões de base do Ninho aconteceu no dia 8 de fevereiro e vitimou 10 atletas do Flamengo, de 14 a 16 anos. Três jogadores precisaram ser internados - Cauan Emanuel e Francisco Dyogo já receberam alta médica e voltaram a defender o clube, enquanto Jhonata Ventura, que teve de 30% a 40% do corpo queimado, ainda recupera-se, mas deixou o hospital.

O laudo da Polícia Civil sobre a tragédia aponta que as chamas foram causadas por um curto-circuito em um dos aparelhos de ar-condicionado. O material do revestimento dos módulos permitiu que as labaredas se alastrassem. Tanto o Flamengo quanto as empresas responsáveis pela estrutura e manutenção do alojamento posicionaram-se logo após o ocorrido. Relembre clicando aqui.

Por conta do ocorrido, o Ninho do Urubu foi interditado - parcial ou totalmente - por quase três meses para atividades das divisões de base e também do time principal. Em maio, o clube comandado por Bandeira de Mello conseguiu o alvará de funcionamento e regularizou o CT. Foram firmados acordos com o Ministério Público e Corpo de Bombeiros.