Tamanho do texto

Samuel Marcos de Souza Lopes também é conhecido como Pará na equipe sub-15 do Duque de Caxias, no Rio de Janeiro

Pará%2C lateral do Flamengo
Reprodução / Buda Mendes/Getty Images
Pará, lateral do Flamengo

O filho do lateral-direito Pará, do Flamengo , protagonizou cenas lamentáveis no último domingo, dia 23 de junho, pelo sub-15 das Séries B1/B2 do Campeonato Estadual do Rio de Janeiro.

Leia também: Aos 19 anos, Luis Suárez teve contratação negada no Flamengo

Samuel Marcos de Souza Lopes, que atua no Duque de Caxias e também chamado de Pará , assim como o pai, trocou socos e chutes com o próprio companheiro de time, Guilherme da Silva Ramos, conhecido como Rabiot, ainda durante o jogo diante do Rio São Paulo.

Os dois atletas foram expulsos aos 50 minutos do segundo tempo, conforme a súmula do árbitro João Pedro Pessanha Salomão.

Leia também: Marcelo Moreno revela mágoa com o Flamengo: "Não acreditou em mim"

Segundo o relato, o filho de Pará iniciou a confusão ao agredir primeiro o colega com um chute na canela e um soco no rosto, em um lance sem bola, perto do meio de campo. Logo em seguida, o companheiro revidou com socos e chutes.

Samuel Marcos Lopes (direita), de 14 anos, é filho do lateral Pará, do Flamengo
Divulgação
Samuel Marcos Lopes (direita), de 14 anos, é filho do lateral Pará, do Flamengo

O jogo terminou empatado em 0 a 0 no tempo regulamentar, mas o Duque de Caxias venceu por 4 a 2 nas cobranças de pênaltis. Mesmo com o jovem Pará expulso.

Confira o relato da súmula na íntegra:

"Aos 50 minutos do segundo tempo, eu expulsei através do cartão vermelho direto os atletas nº 02 da equipe do Duque de Caxias, o Sr. Samuel Marcos de Jesus de Souza Lopes, e o nº 11 Guilherme da Silva Ramos, da mesma equipe, por terem trocado socos e pontapés. Cabe ressalvar que os socos e os chutes aconteceram quase que simultaneamente, sendo que o chute inicialmente foi desferido pelo nº 02 Samuel Marcos de Jesus de Souza Lopes, um chute na altura da canela esquerda e um soco no rosto, e prontamente revidado também com um chute no pé e um soco na cabeça pelo nº 11 Guilherme da Silva Ramos. Destaca-se que as agressões aconteceram com a bola fora da disputa. Neste momento, a bola estava em jogo e havia sido chutada para outra extremidade do campo. O lance ocorreu na altura do meio-campo, próximo à linha lateral, campo de defesa do Duque de Caxias. Os jogadores não precisaram de atendimento médico e não demoraram a saírem do campo de jogo".

    Leia tudo sobre: futebol