Tamanho do texto

Sócios que tentaram pagar as mensalidades em dinheiro não conseguiram e clube pode receber de multa de até R$ 10 milhões do órgão fiscalizador

A guerra política nos bastidores do Santos ganhou proporções gigantescas neste sábado. Os sócios que resolveram pagar as mensalidades em dinheiro não puderam quitar suas dívidas com o clube. Isso porque a secretaria social não está aceitando dinheiro nesses pagamentos. A ordem da diretoria executiva do Santos causou revolta e vistoria do Procon da cidade.

Leia também: Crise política volta a agitar bastidores do Santos e Peres perde mais um Gestor

Sócios do Santos que tentaram pagar débitos em dinheiro não conseguiram e clube foi notificado pelo Procon
Reprodução / Santos
Sócios do Santos que tentaram pagar débitos em dinheiro não conseguiram e clube foi notificado pelo Procon

Pela manhã o diretor do Procon Santos , Rafael Quaresma, esteve na Vila Belmiro para fiscalizar de perto o que entende por "violação dos direitos do consumidor". "Estamos recebendo denúncias desde ontem noticiando a impossibilidade do pagamento em dinheiro. Constatamos a recusa no local", disse.

"Falamos com o jurídico do clube. Solicitamos a correção da conduta. Nos avisaram que não fariam e lavramos um auto de notificação. Neste auto concedemos prazo para que o clube comprove o recebimento desses pagamentos em dinheiro bem como apresente os motivos desta conduta. O prazo vai até o dia 28", explicou Rafael Quaresma.

A atitude de não receber pagamentos em dinheiro partiu de uma suposta "movimentação estranha no pagamento de mensalidades de sócios" que levou o presidente José Carlos Peres a lavrar um Boletim de Ocorrência nesta sexta.

Leia também: Renato é anunciado novo Executivo de Futebol do Santos, mas joga até fim do ano

Não recebimento pode resultar em multa para o Santos

Crise do presidente do Santos é muito grande
Reprodução
Crise do presidente do Santos é muito grande

O membro da mesa do Conselho Deliberativo do Santos, Daniel Alves, ficou revoltado quando não conseguiu pagar R$ 27 em dinheiro.

"Como representante do associado e membro do legislatvo do clube fui defende os interesses do Santos nesse caso. Conversei com o Superintendente administrativo (Ricardo Feijó) e o alertei sobre os problemas que o clube enfrentaria com essa atitude", afirmou Alves.

"Ouvi dele que há suspeitas de pagamentos de alguns associados e por isso não mudariam a posição. Trato o processo de impedimento com a maior lisura. Não tenho lado, Mas não posso admitir que o clube puna todos os associados por suspeitas", desabafou.

"Como membro da mesa fui orientar ele para não fazer isso e que intervisse, ele não seguiu minha orientação como membro da mesa e nem orientação do diretor do Procon, Rafael Quaresma", acrescentou. 

Leia também: Cuca pede paciência e vê crescimento gradativo de Felippe Cardoso

O associado Wilmar Calomino esteve na tarde deste sábado na Vila Belmiro com dinheiro para quitar seus débitos com o clube e não conseguiu mesmo depois da atuação do Procon. "Estou com o boleto na mão e o dinheiro. Me proibiram de pagar. Falaram para registrar reclamação na ouvidoria, mas está fechada. Isso é um desrespeito com o sócio", disparou.

Por esta atitude o Santos pode ser punido pelo Procon com o pagamento de multa de até R$ 10 milhões.

    Leia tudo sobre: futebol
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.