Tamanho do texto

Marcos falou sobre Mundial, rebaixamento e contou histórias da carreira em entrevista. Goleiro atuou por 20 anos com a camisa do Palmeiras

Marcos fez histórias como goleiro do Palmeiras e da seleção brasileira . Suas defesas foram tão importantes, que ganhou o apelido de São Marcos após salvar duas cobranças na decisão por pênalis contra o Corinthians na  Libertadores de 1999.  Na ocasião, o jogador foi um dos destaques da campanha que deu o título ao clube alviverde.

Leia também: Libertadores 2018 pode ter até 8 confrontos entre Brasil e Argentina

Quando Marcos parou, a 12 foi aposentada. Mas hoje é usada normalmente
PALMEIRAS/FACEBOOK/REPRODUÇÃO
Quando Marcos parou, a 12 foi aposentada. Mas hoje é usada normalmente

Em entrevista para o Bolivia Talk Show, do canal Desimpedidos no YouTube, Marcos falou sobre sua trajetória no Palmeiras, o título da Libertadores, o rebaixamento em 2002, contou histórias curiosas de mais de 20 anos defentendo o clube a seleção brasileira e até confessou que é o maior culpado pela derrota no Mundial de Clubes de 1999.

Em uma das partes mais polêmicas da entrevista, o jogador declarou que não comemorou a oficialização do título de 51, e que se o palmeirense quiser comemorar, "vai lá no Japão e ganha que é mais justo".

Mundial

Ao ser perguntado sobre a pior derrota da carreira, o goleiro disse que dois momentos foram marcantes na sua carreira: a derrota nos pênaltis para o Boca Juniors, na final da Libertadores de 2000 ,e a derrota por 1 a 0 contra o Manchester United ,na decisão do Mundial de Clubes em 1999.

"A derrota para o Manchester na final do Mundial foi mais doída do que a da Final da Libertadores para o Boca. Primeiro, porque tinha sido erro meu, e segundo que era uma final de Mundial. A gente até tinha a esperança de voltar lá, mas nunca mais voltou", revelou o goleiro.

Além disso, Marcos analisou o formato de torneio e disse que era muito mais difícil ser campeão antigamente, já que era disputado em apenas uma partida, e não um torneio com vários times, como é feito atualmente. Assim, declarou que o atleta está muito mais propício ao erro, já que não existem outras partidas para se recuperar da falha e mostrar seu melhor futebol.

"Quando a gente foi, era um jogo. Não estou dando desculpa, não. O erro foi meu, falhei, e o palmeiras não tem Mundial por causa de mim mesmo. Mas ia lá, jogava um jogo, e tudo podia acontecer", analisou.

"Fiquei mal para caramba na época, mas agora que o Corinthians é campeão mundial ficou pior. Porque antes não zoavam tanto, antigamente só o São Paulo e Santos tinham. A gente, palmeirense, falava: "Corinthians sem passaporte, nunca ganhou Libertadores, só torneio de verão...". Aí o Corinthians vai lá em 2012, e é campeão da Libertadores e campeão mundial", confessou.

O goleiro vê que agora a zoeira é ainda mais forte entre Palmeiras e Corinthians. No entanto, diz que os torcedores alviverdes vão sofrer piadas até conquistar a Libertadores novamente e finalmente poder levantar o troféu de campeão mundial. "Agora tem WhatsApp, Facebook. Palmeirense fica puto, mas eu falo: "Mano, vocês zoaram os caras de 99 a 2012. Agora vão ser zoados de 2012 até ganhar o Mundial. Vai que tá facinho, tem Real Madrid, Barcelona, Bayern de Munique", brinca.

Ao ser questionado sobre o título de 1951, Marcos não questionou a importância e a veracidade da conquista, mas analisou que o clube so correu atrás da legitimidade após o maior rival ter conquistado o maior título de clubes do mundo.

"Eu até considero 1951 como mundial, mas eu acho que o Palmeiras só correu atrás disso depois que o Corinthians ganhou. Tinha que ter feito isso em 1990... Como eu vou comemorar um título de 1951 agora? Vai lá no Japão e ganha que é mais justo", declarou com risos no final.

Em suas redes sociais, Marcos postou dois vídeos explicando melhor o que quis falar quando disse que o Palmeiras tem que conquistar um mundial após conquistar a Libertadores, nos moldes atuais. Veja a declaração do goleiro:











Leia também: Renda do Palmeiras com bilheteria é maior que Carioca, Mineiro e Gaúcho

Início de Carreira

Muito citado durante a entrevista, até pela rivalidade com o Palmeiras, o primeiro clube de Marcos foi o Corinthians, ainda quando era pequeno e estava começando a treinar como goleiro. Ao falar sobre o terrão, o atleta fez criticas ao famoso campo revelador de atletas do clube. "O terrão é ótimo para fazer jogador, mas o jogador de linha. Pro goleiro é duro", disse criticando o chão de terra batida.

Ao falar sobre a sua infância, o goleiro contou que só seguiu o caminho do futebol para conseguir fugir de trabalhar com o pai na área rural.

"Eu saí para ser jogador, na verdade, porque meu pai era dono de um sítio, e se a gente não fosse jogador, a gente ia ter que trabalhar na roça. Quando saí do Corinthians e voltei para lá, eu vi a m**** que eu tinha feito. Ai quando passei no Palmeiras, eles falavam pra correr que eu estava gordinho. Eu corria, porque se eu não corresse ia ter que pegar na enxada. Eu queria ser goleiro mesmo pra fugir do trabalho na roça", contou o jogador.


Carreira fora do Palmeiras

Ao ser perguntado se tinha algum arrependimento de não ter atuado no futebol europeu, Marcos citou grandes jogadors palmeirenses que deixaram o clube para jogar no velho continente e que retornaram após alguns anos.

"Eu me arrependo de não ter tido uma esperiência na Europa. O certo era eu ter jogado a segunda divisão com o Palmeiras em 2002 e ter saido depois, porque eu sempre tive muitas propostas. Eu tinha que ter vazado e depois ter voltado. O ídolo não tem que ficar mil anos no clube. O ídolo tem que ganhar títulos",  destacou o goleiro.

Em um dos trechos polêmicos, Marcos revelou que Kia Joorabchian tentou levá-lo para o Corinthians em 2005, no mesmo time que contava com Tévez e Mascherano. 

"O Corinthians queria me contratar na época do Kia. Só que me falaram o seguinte: 'Você vai para o Benfica, fica um tempo, e se apresenta no Corinthians em 2005'. Eu falei: 'Eu vou, não tem problema nenhum. Só que vocês vão explicar que estão me vendendo e que vai acontecer isso'”, disse o ex-goleiro.

“O Palmeiras na época não ganhava nada. É duro você ficar sem ganhar nada. O que eu acho que os caras iam fazer: 'Ah, o Marcão fez sacanagem com o clube'. Eles iam vender isso para livrar o deles. Só os caras pipocaram e eu disse: 'Eu não vou'. Aí contrataram o Fábio Costa. Vou falar a verdade. Sou palmeirense, mas se tivesse ido para lá, teria dado a vida para jogar por lá", revelou.

Leia também: Palmeiras escolhe Puma como fornecedora esportiva para 2019

A entrevista completa de Matrcos com Bolívia pode ser vista no canal do Desimpedidos no YouTube.

    Leia tudo sobre: Futebol
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.